Postagens

“MINHA CRIANÇA TRANS: EU SÓ QUERO QUE MEU FILHO SEJA FELIZ”

                  O título do artigo se refere a um vídeo exibido no youtube para fomentar a discussão sobre o acolhimento de pessoas trans. A história narrada pela mãe da criança é emocionante e nos leva a refletir sobre a empatia que deve permear os relacionamentos interpessoais.           Para atender ao pedido da mãe sobre a mudança do nome de seu filho no diário da escola, a direção do estabelecimento prepara os alunos e alunas demonstrando uma atitude muito acolhedora. A aceitação dos pais da criança fez toda a diferença no processo de transição.             Ouvir os colegas do filho gritando juntos o nome “Felipe, Felipe” provocou um sentimento de alívio para a genitora consciente do sofrimento pelo qual a criança já havia passado até verbalizar que gostaria de vestir roupas de menino e ser tratado como tal.             De acordo com o Mapa da Violência de Gênero, o Brasil teve 225 casos de violência contra pessoas LGBTQUIAPN+ por dia em 2017 (GOES e SOUSA, 2020) e uma ta

Destino Santiago e San Pedro de Atacama

Imagem
No dia 03 de maio deste ano completei 24 anos de carreira na Defensoria Pública de Mato Grosso. Sou grata a Deus pela oportunidade de trabalhar numa instituição que me possibilitou desenvolver boa parte do meu potencial humano. Para celebrar fizemos uma viagem ao Chile. NH Collection Casacostanera foi o local que escolhemos para nos hospedar. Visitamos o Museu Histórico Nacional, o Ministério da Justiça e Direitos Humanos, Cerro San Cristóban, onde passeamos de funicular e teleférico, conhecemos a Praça das Armas, o Parque Bicentenário, demos um rolê de ônibus turístico pela cidade e almoçamos no elegante restaurante Giratório, antes de partimos para o deserto do Atacama.  Thermas de Puritana, água quentinha Licancabur é o vulcão protetor do povo de San Pedro do Atacama, um vilarejo no meio do deserto, distante 100 quilometros do aeroporto de Calama, que fica na região de Antofagasta, no Chile.  De diferente nesse lugar, você tem o clima: durante dia varia entre 22 a 24ºC, ao entardec

Destino Jaciara, MT

Imagem
        Estivemos na semana santa em Jaciara, MT para conhecer a Caverna que chora. Pensa num lugar lindo! Conectar com as obras divinas é o que de mais sagrado um ser humano pode fazer. Contratamos o guia Rafael da Nativão  que combinou de nos esperar num ponto de pedágio da Rota Oeste, logo depois do posto da Polícia Rodoviária Federal, sentido Cuiabá-Jaciara.              Essa aventura foi vivida por mim, meu marido e filho de 20 anos. O percurso é tranquilo, alguns quilômetros de carro numa estrada de chão, passando por uma fazenda num carro baixo (Yaris). Após estacionar o carro fizemos uma trilha de cerca de 1 quilometro e meio, onde em alguns trechos você se apoia em uma corda para descer e na volta para subir.               A caverna tem aproximadamente 500 metros de extensão, com uma pequena piscina natural para banho, além de várias galerias que te direcionam para outros espaços incríveis,onde você caminha com água nos joelhos.             Em direção a cidade de Jaciara, caím

Ética na pesquisa e o direito ( Fórum de discussão sobre a videoaula da professora Débora Diniz)

A videoaula da Débora Diniz é muito didática. A professora define plágio como apropriação indevida da criação de outra pessoa, citando exemplos de como ele pode ser feito da forma mais grosseira, copiando e colando ou quando há troca de palavras, mas o conteúdo é o mesmo, a isso ela denomina de “Pastiche”. O termo se refere a uma maneira de ludibriar, disfarçando o conteúdo original. Alerta para indicar as fontes de toda e qualquer ideia e finalmente esclarece que a paráfrase é uma maneira de interpretar o texto lido, portanto, nunca haverá uma paráfrase igual a outra. Segundo a autora, citações diretas não podem passar de 10% do seu texto, os outros 90% tem que ser paráfrase. Nós sempre seremos originais quando compusermos uma paráfrase. As dimensões da ética se conectam com uma pesquisa em direitos humanos quando o(a) pesquisador(a) consegue enxergar o(a) outro(a) dentro da zona do ser conforme ensina Vasconcelos (sem data) que a Declaração Universal dos Direitos Humanos estabelece

Relatório de Pesquisa por Tânia Regina de Matos

  1) Informe os dados do trabalho lido no formato ABNT ALEIXES, RITA DE CÁSSIA LEVENTI. Justiça climática e educação ambiental nas teias do Fórum de Direitos Humanos e da terra de Mato Grosso. Dissertação (Mestrado). Cuiabá–MT. 2015. Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Educação Programa de Pós-Graduação em Educação Grupo Pesquisador em Educação Ambiental, Comunicação e Arte. Repositório: Biblioteca Brasileira de Teses e Dissertações. Acesso em https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFMT_373302f9a785ccc2c1fa34027441db8a 10 de out de 2023. 2) Por qual motivo você selecionou esse trabalho? Porque nasci em Mato Grosso e estou muito preocupada com o futuro do Estado. Este ano fui designada pela Defensoria Pública do Estado da qual sou membro, para integrar o conselho deliberativo do Programa de Proteção dos Defensores dos Direitos Humanos, oportunidade em que tive acesso ao acervo de relatórios produzidos pelo Fórum de Direitos Humanos e da Terra. Dentre outras conclusões,

Ensaio: O olhar constitucional a grupos invisibilizados

Por Tânia Regina de Matos          Para esta atividade avaliativa decidi falar sobre os(as) adeptos(as) de religiões espiritualistas que durante muito tempo ficaram cerceados (as) de professar suas crenças tendo em vista que catolicismo havia sido instituído como religião oficial no artigo 5º da Constituição de 1824, portanto, outras práticas foram marginalizadas, conforme ensina Misi e Coelho (2023).             Fui evangelizada dentro da Doutrina Espírita, que é a religião dos meus pais, entretanto, cursei o ensino fundamental no Colégio Salesiano Coração de Jesus, experiência bastante traumática tendo em vista que me sentia excluída pelas freiras e colegas principalmente durante as aulas de religião, cujo conteúdo era totalmente católico. Após concluir o ginásio em 1984, comecei o ensino médio no Colégio Salesiano São Gonçalo em 1985 e terminei em 1987.          Mas em ambos os colégios quando me apresentava como espírita, não raro, era alvo de piadas pelos meus colegas que dizi

Genocídio do povo negro

Por Tânia Regina de Matos             A cada duas horas, sete jovens negros são assassinados no Brasil. Na região nordeste, os jovens negros têm cinco vezes mais chances de serem assassinados que jovens brancos, segundo dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A Bahia é hoje o 5º estado com maior taxa de homicídios no país. O quadro de genocídio do povo negro foi denunciado em audiência na Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA), no dia 20/03/2015, em Washington. [1]        Segundo Abdias Nascimento, o genocídio do povo negro está amplamente documentado e explicado pelos melhores e mais insuspeitos historiadores. A Abolição, por si mesma não pôs fim, mas agravou e intensificou o genocídio, pois, o povo negro foi condenado à periferia da sociedade de classes, como se não pertencesse à ordem legal. Genocídio é o extermínio moral e cultural deliberado de um grupo étnico, que teve sequelas econômicas e demográficas (NASCIMENTO