sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

É loira, mas é mulher kkkkkkkk



Depois falam mal das loiras...

Uma loira e um advogado estão sentados lado a lado num vôo de São Paulo para Belém.
O advogado pergunta a loira se ela não quer participar de um joguinho interessante.
A loira, muito cansada, diz que só quer dar um cochilo, agradece educadamente e se vira para a janela na intenção de tirar uma soneca. O advogado insiste e diz que o joguinho é fácil e muito divertido.
Ele explica: - Eu faço uma pergunta e, se você não souber a resposta, me paga R$ 5,00 e vice-versa.
Novamente ela declina a cabeça e tenta dormir um pouquinho.
Mas, o chato insiste: - OK...se você não souber a resposta me paga R$ 5,00 e se eu não souber a resposta, te pago R$ 500,00.
Isso chamou a atenção da loira, que, pensando que esse tormento não terminaria enquanto ela não participasse da brincadeira, decidiu concordar.
O advogado fez a 1ª pergunta: - Qual a distância exata entre a terra e a lua?
A loira não disse uma palavra, abriu a bolsa, pegou uma nota de R$ 5,00 e entregou ao advogado. - Ok...é a sua vez - disse ele, sorridente.
A loira então pergunta: - O que é que sobe a montanha com 3 pernas e desce com 4 pernas?
O advogado, desconcertado, pega o seu laptop e pesquisa todas as referências sem obter nenhuma resposta. Pega o telefone do avião (airphone) e conecta em seu moden, procura em todos os bancos de dados e bibliotecas possí­veis, sem obter nenhuma resposta. Frustrado, manda e-mail para todos os seus amigos e colegas de trabalho/profissão, sem nenhum sucesso. Após uma hora de pesquisa, ele pega R$ 500,00 e entrega a loira, ela agradece e se vira para
o lado para uma soneca.
O advogado, muito mal-humorado, cutuca a loira e pergunta: - Muito bem, qual é a resposta?
Sem dizer uma palavra, a loira abre a bolsa, entrega R$ 5,00 ao advogado e volta a dormir.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Destino Morro de São Paulo, Bahia, parte IV

No quinto dia fomos até a Terceira e Quarta Praias. São todas pertinho uma da outra. Na Quarta Praia ficamos no Restaurante Pimenta Rosa. Adivinha de quem eu lembrei? É claro que foi da Rose, do blog Pimenta Cor de Rosa. Aliás lembrei de você mineirinha quando fui comer pão de queijo também.

Lá no Pimenta Rosa não se cobra pelas cadeiras e a comida é maravilhosa por um preço justo. Comemos peixe e filé. Após o almoço fomos para a pousada nos preparar para o city tour, que é realizado a pé. Uma caminhada histórica é feita pelos principais pontos da cidade: Igreja, Casarão, onde está instalada uma pousada de igual nome, Farol e Forte.

Ao final da caminhada entramos numa pousada que anunciava pão de queijo com café, mas estava assando... não tivemos paciência para esperar... acabamos ficando com desejo.

No sexto dia fizemos o passeio a Gamboa. É de barco e varia de R$ 30,00 a R$ 35,00. Crianças acima de 5 paga inteira. Primeiro há uma parada para mergulho, depois, outra para visitar um banco de areia, por volta de 12h00 há uma parada próximo ao restaurante Sol de Verão onde o garçom vem até o barco para o turista fazer o pedido. Enquanto o almoço é preparado o barco vai até a Praia da Ponta do Curral, a única com ondas. Ao retornar ao restaurante você já está louco de fome certo? Pois é. A refeição é de comer rezando... pedimos badejo, mas acompanha arroz, feijão, farofa e salada. O prato é farto para duas pessoas e custa R$ 39,00. Elogiei e a filha do dono do restaurante, uma garota chamada Taiane ouviu, e veio até nós. Ficamos conversando um tempão com ela. Valeu muito a pena. O passeio terminou por volta das 17:00 no cais. Subimos até a pousada Passárgada para saborear o delicioso pão de queijo e apreciar o por do sol. Foi lá que conheci a Dulce, uma goiana muito simpática proprietária do local e moradora de Morro há 16 anos. Ela me disse que baiano para morrer de repente leva uma semana.
Lugar sensacional, voltaria visitem!
Descobri outro site sobre Morro, é de um jornalista turístico. Visitem!

Restaurante Pimenta Rosa, que fica na Quarta Praia.


Vista panorâmica da vila. A foto foi tirada do mirante do farol.

Vista de uma das muitas piscinas naturais de Morro. Essa foto foi tirada do mirante do Forte.

Essa foto é do Forte, onde os portugueses tentaram resistir à invasão dos holandeses.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Destino Morro de São Paulo, Bahia, parte III

No terceiro dia (terça-feira) dia 03/02, ficamos na Segunda Praia. Ao nos acomodarmos numas cadeiras confortáveis fomos abordados pelo garçom que foi logo avisando: é R$ 15,00 cada, para ficar até o entardecer. Ficamos sem graça de levantar...

Pedimos uma garrafa de cerveja. O preço é mais ou menos tabelado: R$ 5,00.
É a praia mais badalada.
Depois de já estarmos deitados há alguns minutos, chegaram umas argentinas e pechincharam. Fiquei só assuntando... O Zé acabou diminuindo para elas. Quando ele passou por mim, o chamei e disse:
_ Quero o mesmo desconto que você deu para elas.
_kkkkkkk
Saiu por R$ 25,00 as duas e ainda reservou nossos lugares enquanto fomos almoçar na vila.
Comemos crepes, muito saborosos e fartos num lugar chamado Italioto. Você pode escolher até quatro sabores e custa R$ 14,90 cada um. Só fomos sentir fome de novo ao anoitecer. Recomendo.
À noite fomos a um restaurante chamado Bianco e Nero, cujos proprietários são italianos. Atendimento impecável. A comida foi servida 15 minutos depois que pedimos. Muito bom. O jantar ficou em torno de R$ 50,00. Voltaria com toda a certeza.

No quarto dia, após termos passado por alguns inconvenientes no hotel em que estávamos hospedados na Praia do Encanto, nos mudamos para a pousada Bahia Bella, situada na Segunda Praia. Foi a melhor coisa que fizemos. Ficamos pertinho da praia e da vila. A pousada é de propriedade de um casal gaúcho e tem uma recepcionista muito simpática, a Jô, que nos deu algumas dicas e informações importantes.

Acabamos perdendo um dia de praia, pois, tive que ligar para o meu agente de viagem, explicar o que estava acontecendo, então, a transferência de bagagem e a procura de outro lugar para ficar nos tomou muito tempo. Quando cheguei em Cuiabá, escrevi uma carta para a CVC, pois, o hotel conveniado com a operadora negou-se a devolver as diárias já inclusas no pacote. Assim que a última parcela do pacote foi paga, obtivemos resposta da operadora que nos deu a opção da devolução do dinheiro da estadia ou o crédito para outra viagem.

Morro de São Paulo tem muitas pousadas bacanas e com preços que variam de R$ 100,00 a R$ 380,00 para o casal, dependendo do seu estilo e bolso.

É claro que final de ano e carnaval é complicado, tudo sobe e é difícil achar vaga. Mas no período em que fomos, começo de fevereiro, estava tudo muito tranquilo.

Nessa noite jantamos no Restaurante Tinharé. Não gostamos do atendimento e nem da comida.





Acima foto da Segunda Praia. Abaixo vista do mar.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Destino Morro de São Paulo, Bahia, parte II


Pois é. Depois do passeio de lancha, descemos no cais e fomos direto para o Centro da vila.
Começamos a conhecer a cidade.
Como eu já havia dito, não entra carro no lugarejo, portanto, a caminhada é o principal meio de transporte.
Fomos olhando as lojinhas de souvenirs e todo o resto. Havia algumas creparias, pizzarias, muitos restaurantes e até churrascaria.

Procuramos meticulosamente, pois, na noite anterior (no dia em que chegamos) nos limitamos às opções da Segunda Praia, assim, acabamos pagando caro por um prato não muito apetitoso.
Os carros que fazem o transporte dos hóspedes do hotel da Praia do Encanto até a vila deixa todos em frente ao Centro de Turismo que fica próximo da Segunda Praia e mais tarde vai buscar.
Os horários variam. No hotel em que ficamos os horários de saída eram: 18h00, 20h00, 22h00. Levava em média 30 minutos para chegar até a vila. Chegamos às 18h30 e combinamos o retorno às 22h00.
Na primeira noite fomos abordados por um garçom muito simpático do SAMBASS Restaurante e nos deixamos nos convencer... resultado: camarão a milanesa, com salada, arroz e batata souté. Nada estava ao nosso gosto. Ouvimos dizer que o restaurante é de propriedade de um argentino.
O custo foi alto: R$ 92,00 e não ficamos satisfeitos. Não voltaria.

A fim de não repetir a má escolha, optamos por um rodízio de pizzas na "Carpaccio e Pizzas", a um custo de R$ 19,90 por pessoa. Não nos arrependemos. As pizzas estavam muito boas e o atendimento excelente. Se você quiser mais detalhes sobre Morro visita o blog de alguém que reside lá: Morro de São Paulo by Jam

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Destino Morro de São Paulo, Bahia, parte I

Porção de lagosta

Morro de São Paulo fica na ilha de Tinharé, na Bahia.O que chama a atenção são as águas calmas, muito claras, mornas e rasas. Para criança o cenário é incomparável.No primeiro dia em Morro combinamos um passeio de lancha para Boipeba.

O piloto foi nos buscar num hotel na praia do Encanto, onde estávamos hospedados. Às 10h45 a lancha apareceu no mar, então, entramos na água em direção ao grupo.
Havia cinco italianos e um casal da Bahia. Eu diria que 70% dos turistas que visitam morro são estrangeiros (portugueses, espanhóis, chilenos, boa parcela de argentinos).

A primeira parada foi nas piscinas naturais de Garapuá para um delicioso mergulho. No local havia um bar flutuante.

Depois de pararmos em outra piscina, fizemos uma degustação de lagosta na barraca do Guido. O lugar é paradisíaco. Pedimos o fruto grelhado, mas, ele não foi servido como imaginávamos. É preciso melhorar. Gastamos em torno de R$ 40,00 para uma porção de aperitivo.

A ilha de Boipeba é separada de Tinharé pelo rio do Inferno, assim chamado por causa da invasão dos holandeses, pois, era ali que os portugueses os aguardavam para atacá-los.

Numa certa altura do passeio as águas do rio do Inferno se misturam com as águas do mar, é muito lindo!

Há uma parada para ver o mangue e pegar carangueijos.

No meio tarde visitamos Canavieiras, um lugar, onde se degusta ostras.

Demos a volta inteira na ilha e mas para o final, passamos pelo Município do Cairu , onde parte do grupo conheceu a cidade.

O passeio terminou no cais por volta das 17h00. Custo: R$80,00. Crianças até 6 não pagam este passeio.

As fotos foram tiradas de dentro da lancha.
A de baixo é da piscina natural de Garapuá.
Normalmente de 1 a 2,5 metros de profundidade.


A foto ao lado é da praia de Boipeba, onde há a barraca de um senhor chamado Guido, muito simples, onde se prepara lagosta de forma artesanal.


segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Voltei de Morro de São Paulo!

Oi queridos(as)! Voltei. Quero dizer que as férias foram MARA! Sem querer contar vantagem gente... não sou disso. Quem me conhece sabe. Quando fui ao Panamá e resolvi escrever algumas crônicas sobre a viagem fiz da forma mais simples que pude e com o intuito de orientar as pessoas que porventura quisessem seguir o mesmo destino ou saber um pouquinho sobre outro País e cultura.
Vou escrever sobre Morro de São Paulo na Bahia, foi para lá que eu fui junto com o meu filho e o meu AMADO, que não é o Jorge, mas é inteligente como ele, que não é baiano, mas é tranquilo como um... rsrsrs

Morro de São Paulo é uma cidade que fica a 60 quilometros de Salvador e só se chega de barco, lancha, catamarã ou aviãozinho bimotor, é... daqueles que dá um frio gelado na barriga, ai que meda...

Não entra carro na cidade. O único permitido é o carrinho de mão, também chamado de taxi pelos nativos, que costumam fazer corridas carregando as malas dos turistas.
Ah... tem também os tratores da prefeitura e alguns carros dos hotéis mais afastados da Primeira, Segunda, Terceira e Quarta Praia. A Praia do Encanto é a Quinta Praia, e foi que lá que nos hospedamos a princípio.

Vou falar sobre os restaurantes, daqueles que conseguimos visitar é claro, dos passeios, das pousadas.
Quero deixar claro que a ideéia é passar informações para quem deseja conhecer o lugar e não dar bola fora. Dinheiro não cresce em árvore e a gente pensa que você que está lendo valoriza o seu. Não é um guia, para isso existe o Quatro Rodas, é só a nossa opinião (minha e do Oscar).

Vejam algumas fotos de cima, tiradas de dentro do avião.

eGostou? Amanhã tem mais. Beijinhos.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Férias

Vou passar uns dias fora com a minha família. Precisamos sair de giro um pouco.
Quando voltarmos digo para onde fomos.
Sentirei saudades de vocês!
Beijos