sábado, 18 de fevereiro de 2017

Causa e Efeito

Conviver com um(a) portador(a) de Alzheimer é um exercício diário de paciência. Destruir a causa dessa demência é a vontade de todo(a) cuidador(a). Ninguém quer que seu familiar morra por ter desenvolvido a doença. Mesmo sabendo que não há cura, todos querem seus parentes vivos e sem a presença do “alemão”. Para proporcionar uma melhor qualidade de vida ao doente busca-se tratamento, remédios e tudo o que for possível, inclusive, liminares junto ao Poder Judiciário através da Defensoria Pública.

Assim como os parentes de quem tem uma enfermidade querem que ele(a) se livre dela, a sociedade quer se livrar da violência e de suas causas. Numa democracia não é aceitável desejar a morte de alguém violento, espera-se que essa pessoa seja punida e se recupere.  

O uso abusivo de drogas tornou-se um grande problema de saúde pública, entretanto, há muitos dependentes na prisão porque vendiam drogas para sustentar o seu vício. Mantê-los atrás das grades não interrompe o ciclo e ainda alimenta as organizações criminosas.

Carl Hart, neurocientista pesquisou sobre os efeitos do crack no Hospital da Universidade Columbia, em Nova York e concluiu que para as pessoas que estão na rua, sem perspectiva ou o que ele chama de “reforço alternativo”, ficar sem crack, obriga-as a conviver de cara limpa com a sujeira, a desesperança e a violência.

Por isso que, embora o crack seja usado por gente de todas as classes e etnias, os brancos e os de classe média geralmente não se viciam, porque têm algo a mais a esperar da vida. Quase sempre quem se dá mal são os mais pobres, os que vêm de famílias desestruturadas e os membros de minorias raciais. Segundo uma pesquisa da Fiocruz, 80% da população das chamadas cracolândias tem pele escura.

Remediar virou rotina no Brasil. Construir presídios, realizar mutirões para abrir novas vagas, criminalizar conflitos e enrijecer a lei penal são iniciativas já aplicadas, ultrapassadas e que não trouxeram resultados diferentes.

É importante observar a causa dos problemas para se antecipar a eles. Nos Estados Unidos sete estados elevaram a idade penal para 18 anos. Os defensores dessa medida legislativa esperam que pelo menos cinco estados elevarão a idade penal para 18 anos em 2017 e outros poderão elevá-la para 21 anos. Adotaram essa postura após anos de estudos.

Nenhuma nação desenvolvida conseguiu diminuir a violência com aumento de estabelecimentos prisionais, ao contrário, aquelas que conseguiram controlar seu crescimento investiram pesadamente em educação.

Cingapura se tornou o primeiro país do mundo a exigir que todos os seus alunos passem por um programa de ASE (Aprendizagem Social e Emocional) o que resultará em aumento de renda de toda a nação, ganhos extras à saúde e menores índices de criminalidade segundo economistas envolvidos no estudo.

A Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso completa no próximo dia 24, dezoito de existência e por ser considerada uma Instituição Nacional de Direitos Humanos, deve dar publicidade a esses direitos e combater todas as formas de discriminação, principalmente contra os pobres, aumentando a conscientização pública, especialmente através da educação e de órgãos da imprensa.


Tânia Regina de Matos é Defensora Pública em Várzea Grande, integrante do Conselho Municipal do Negro, é uma das coordenadoras da Rede de Educação Integral do Município

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

MATOGROSSENSE OFERECE TATUAGEM GRATUITA PARA RECONSTITUIR MAMILOS APÓS MAMOPLASTIA

Fonte: Muvuca popular

Um tatuador de Primavera do Leste, a 239 km de Cuiabá, Elessandro Ferreira da Silva, desenvolveu um projeto para ajudar a recuperar a autoestima das mulheres que tiveram câncer de mama. Ele anunciou nas redes sociais o projeto que atenderá gratuitamente mulheres que passaram por uma mamoplastia oncológica, quando a auréola e o mamilo da mulher são retirados em decorrência do câncer de mama. Ele pretende atender uma cliente por semana.
Elessandro é tatuador há 8 anos e decidiu se dedicar à técnica de reconstrução de mama depois que a mãe de um amigo enfrentou a doença e passou pela cirurgia de retirada. Estudou técnicas de realismo e tatuagem 3D que a mama reconstruída fique o mais próximo possível da realidade.
A cirurgia afeta a autoestima de muitas mulheres e algumas passam a sentir vergonha de seus próprios corpo. Segundo o tatuador, a maior recompensa é ver a satisfação das mulheres que passam pela reconstrução.
"Elas me contam que a melhor parte de tudo é poder voltar ao espelho e se sentir bonita de novo e não sentir vergonha. Eu sempre quis fazer algo pelo próximo e agora tenho a oportunidade”, contou o tatuador.
Elessandro já realizava o procedimento há algum tempo, mas foi só quando anunciou nas redes sociais que o trabalho ganhou repercussão. "Está sendo surpreendente, mulheres de várias cidades já me procuraram. Já tenho horário marcado com clientes de Cuiabá e de Barra do Garças [a 516 km de Cuiabá]", disse.
Os atendimentos serão completamente gratuitos e não serão realizados apenas em mulheres do município onde fica o estúdio do tatuador. Ele afirma que qualquer mulher que tenha sofrido com a doença poderá ser atendida, desde que se encaixe nos requisitos.
Segundo ele, é importante que essas mulheres não tenham tomado sol ou feito bronzeamento no local e realizado a cirurgia de mamoplastia há pelo menos um ano.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

TCE-MT lança curso de extensão GRATUITO sobre Cidadania e Controle Social

Fonte: site do TCE


A | A


O Curso de Extensão: Cidadania e Controle Social voltado para a melhoria dos resultados da gestão pública e capacitação de conselheiros dos conselhos de Políticas Públicas do Estado e dos municípios foi aberto nesta semana pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-MT). Estavam presentes representantes de oito universidades de Cuiabá e Várzea Grande, quatro conselhos estaduais e 24 conselhos municipais de Cuiabá e Várzea Grande. Participaram também representantes de creches, escolas públicas e municipais, sindicatos e secretarias de Estados e dos Municípios. 


O curso de extensão terá 100 horas com disponibilidade para 1,5 mil inscrições, sendo que até agora já foram inscritos 300 pessoas. As inscrições podem ser feitas (AQUI) até o dia 15 de julho. No dia 28 de julho acontecerá a aula inaugural a partir das 14h30, no Auditório da Escola Superior de Contas (TCE-MT). Os certificados serão emitidos pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

A supervisora do curso e secretária de Articulação Institucional do Tribunal de Contas de Mato Grosso, Cassyra Vuolo, explica que o curso trata de um importante mecanismo de fortalecimento da cidadania que visa proporcionar a aproximação da sociedade com o Estado. "Precisamos estimular a compreensão da importância do exercício do controle social dos recursos públicos e estreitar as relação necessárias e legal deste controle com demais controles internos e externo", disse. 

A professora da UFMT que elaborou o conteúdo do curso, Dra Claudia Oneida, conta que tem tido contato direto com os conselhos de políticas públicas de Cuiabá e Várzea Grande. "Realmente existe uma necessidade muito grande de treinamento para que possam agir como fiscalizadores e auxiliares da gestão pública. Tem que colaborar também e não só criticar. Eles têm que verificar as despesas feitas pelo Executivo e se está dentro do planejado. É a função de um conselho. São representantes da comunidade", explica. 

O curso tem dois momentos presenciais: a abertura e o encerramento, previsto para o dia 01/11, data final para entrega dos trabalhos finais pelos cursistas. De 17/11 a 01/12 é o prazo para apresentação da lista dos cursistas aprovados no site do TCE-MT. O curso funciona na modalidade à distância, conhecido como Ambiente Virtual de Aprendizagem. A coordenadora da área EAD no convênio TCE/ UFMT, Rosana Abutakka explica que a UFMT é pioneira nesse tipo de aprendizado à distância e o curso pode ser acessado com facilidade, inclusive para tirar dúvidas.