segunda-feira, 30 de junho de 2008

Novo prêmio


Mais uma vez recebi da minha amiga Rô, do blog da Na Casa da Vovó, um novo selo: Esse Blog Vale a Pena ser Olhado.
OBRIGAAAAAADAAAAAAAAAAAAAA!
O selo vem com algumas regras:

Regulamento.

    1) Indique o link de outros cinco blogs CLICANDO AQUI.

    2) Indique esse link aos blogs que você selecionou.

    3) Coloque o selo em um post, junto com o link dos cinco blogs indicados.

Ok, tem uma quarta regra, mas ela está lá no link indicado.
Então, eu quero repartí-lo com:

Fernanda do Educando por aí
Rose do Um Caminho Cheio de Flores e Outros Valores
Defensora Sebastiana
Sahmany do Xis Tudo
Scliar do Humorácido

domingo, 29 de junho de 2008

A vingança - Parte XII


Querida, o que você prefere? Um homem bonito ou inteligente?
- Nem um, nem outro. Você sabe que eu só gosto de você.

sábado, 28 de junho de 2008

PROJETO PEQUENO CIDADÃO


A Comissão Estadual Judiciária de Adoção (Ceja), ligada à Corregedoria-Geral da Justiça do Poder Judiciário de Mato Grosso, está mobilizando voluntários para a grande reunião que será realizada neste sábado (28 de junho), na Escola Estadual Professor Nilo Póvoas, a partir das 14 horas, em Cuiabá. E em Várzea Grnade acontecerá no Fórum da cidade. Participarão do encontro as mães interessadas em incluir o nome do pai biológico na certidão de nascimento de seus filhos.

A iniciativa faz parte do projeto "Pequeno Cidadão". Até a data de 25/06 os servidores da Comissão já expediram cerca de 3,5 mil notificações para mães já identificadas em escolas públicas da capital e cujos filhos não têm o nome do pai no registro civil. Porém, até mesmo as mães que não foram notificadas, mas têm crianças ou adolescentes nessa situação, podem ir à escola ou no fórum de Várzea Grande no sábado para efetuar o cadastro.

Os voluntários vão auxiliar os servidores da Ceja no preenchimento dos formulários e outras atividades durante a reunião. A estimativa é de que sejam necessárias pelo menos 50 pessoas para ajudar, que devem ser maiores de 18 anos e nível médio de escolaridade.


"Esperamos muito que as pessoas se mobilizem e nos ajudem a concluir mais esse trabalho com êxito. Quanto mais voluntários tivermos, melhor para as crianças, pois todas poderão ser inscritas com mais rapidez", informou a secretária da Ceja, Lindacir Rocha. Nesse primeiro encontro, o objetivo é estimular as mães a fornecerem o nome do pai biológico de seus filhos e conscientizá-las da importância das crianças e adolescentes possuírem uma identidade completa, como garantia de vários direitos.

A identificação das crianças foi realizada por meio de levantamento junto às escolas públicas estaduais e municipais de Cuiabá, além das creches municipais. O levantamento contou com a colaboração das secretarias de Educação das redes estadual e municipal de ensino. Foram identificadas crianças nessa situação de falta de paternidade em documento de nascimento de 74 escolas estaduais, 84 municipais e em 44 creches da rede municipal.

Na reunião, as mães deverão levar documentos pessoais e o registro de nascimento da criança. Além disso, deverão informar a localização do suposto pai. Com esses dados, será possível notificar os pais a comparecerem à próxima etapa do projeto, que serão as audiências de conciliação.

CRONOGRAMA - Depois da reunião no sábado, as mães e os supostos pais serão convocados a participar de audiências de conciliação, marcadas para o dia 9 de agosto, momento em que será discutida a possibilidade de reconhecimento voluntário da paternidade. Conforme o cronograma de atividades da Corregedoria-Geral da Justiça, as audiências serão realizadas durante todo o dia, no Fórum de Cuiabá. No local estarão presentes laboratórios para a coleta de material para a realização de exames de DNA, o Cartório do 3º Ofício de Notas de Cuiabá para a confecção das novas certidões de nascimento e a Defensoria Pública para os casos em que a audiência não chegue a um acordo.

Coordenadoria de Comunicação do TJMT

imprensa@tj.mt.gov.br

(65) 3617-3393/3617-3394

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Poder Judiciário de Mato Grosso realiza encontro de Conselhos da Comunidade

Integrantes de Conselhos da Comunidade de todo o Estado reuniram-se ontem (26/06) na sede do Tribunal de Justiça de Mato Grosso em Cuiabá para debater o papel dos Conselhos junto à população carcerária. O "Primeiro Encontro Mato-grossense de Conselhos da Comunidade" está sendo realizado pela Corregedoria-Geral da Justiça e vai até hoje. A abertura aconteceu no Salão Nobre do TJMT.

Os participantes estão conhecendo um pouco dos trabalhos realizados pelos reeducandos, numa exposição montada no local. A palestra magna com o tema "O papel dos Conselhos da Comunidade como instrumento de controle social da Execução Penal" foi proferida pelo promotor de Justiça e ex-secretário de Justiça e Segurança Pública, Célio Wilson de Oliveira.

Os conselhos de comunidade são constituídos por voluntários e representantes da sociedade civil, sem vinculação a órgãos ou Poderes. Eles fazem a ponte entre os reeducandos e a sociedade.


Coordenadoria de Comunicação Social do TJMT

imprensa@tj.mt.gov.br

(65) 3617-3393/3394

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Dia Internacional de Combate às Drogas


Anualmente, o álcool é a causa de dois milhões de mortes em todo o mundo. De 1970 a 1989, o uso de álcool aumentou em 242% no Brasil, comparado a 72% na Colômbia, 45% na Costa Rica e 21% no México. Em contraste, Argentina, Venezuela e Chile apresentaram quedas no consumo.

Em 1998, o Brasil ocupava o primeiro lugar do mundo no consumo de cachaça, sendo o quinto maior produtor de cerveja, da qual só a Ambev produz 35 milhões de garrafas por dia. O álcool é a droga preferida dos (das) brasileiros(as) (69% do total), seguido pelo tabaco, maconha, cola, estimulantes, ansiolíticos, cocaína, xaropes e estimulantes, nessa ordem.1

Segundo um estudo do Hospital da Universidade de Valladolid (Espanha) realizado entre 1980 e 1984, as internações por abuso ou dependência do álcool tendem a ser de homens pobres. A pesquisa realizada com base nos registros de 150 casos do Departamento de Psiquiatria do hospital indicou que os pacientes eram tipicamente trabalhadores braçais sem qualificações, com nível educacional baixo (apenas o curso primário), com idade em torno de 45 anos, casados, moradores de áreas urbanas e com renda baixa (CONDE LOPES, 1990).2

Mesmo não acompanhando os estudos e pesquisas nessa área, eu arriscaria dizer que Mato Grosso não difere de Valladolid. Por vezes, os (as) acusados (os) de cometerem infrações, em seus interrogatórios, alegam que são pobres, trabalhadores (as) braçais e dependentes químicos desde crianças ou adolescentes, além de estarem bêbados(as)/drogados(as) no momento da prática criminosa.

Na minha profissão tenho utilizado como tese de defesa o fato do(a) acusado(a) ser dependente químico e o Estado não oferecer de forma ampliada a todos(as) que desejam tratamento gratuito para esse tipo de dependência.

A Teoria da Co-culpabilidade prevê uma atenuante genérica para aquele a) que cometeu o delito uma vez que o Estado esteve ausente na vida dele(a) em algum momento que antecedeu o crime.

Resumindo: se o Estado ao invés de coibir o uso indiscriminado do álcool, o permite, através de propagandas apelativas, terá que arcar com parte da responsabilidade quando houver um crime impulsionado pela ingestão da bebida.

Até o momento, a tese não foi aceita pela Justiça local, mas ainda assim, insisto que o Estado tem obrigação de coibir e fiscalizar as propagandas de drogas lícitas e reservar um percentual do imposto recolhido sobre elas para investir em programas e estabelecimentos de desintoxicação (art. 200, VI e VII da Constituição Federal).

Quanto às drogas ilícitas o Estado tem o dever de mediante políticas sociais e econômicas garantir ações e serviços que visem promover, proteger e recuperar a saúde (art. 196 da Constituição Federal).

Mas que políticas são essas?

Penso que a política da boa educação é a principal forma de se levar informação ao ser humano. A criança precisa saber que a droga (lícita ou ilícita) faz mal a saúde, causa dependência e é fator determinante no aumento da violência, além de ser uma substância capaz de adoecer a família inteira, gerando disfuncionalidade em todos os seus integrantes.

______________

1 e 2 A Questão de Gênero no Brasil Maria Valéria Junho Pena, Maria C. Correia, Bernice Van Bronkhorst, Isabel Ribeiro de Oliveira

quarta-feira, 25 de junho de 2008

IV CONEPA - Congresso Nacional de Execução de Penas e Medidas Alternativas



Será nos dia 30.06, 1 e 2 de Julho no Tropical Hotel, Manaus, AM. Mato Grosso terá uma representante, trata-se da psicóloga Dainir Feguri, que passou por aqui na segunda-feira e deixou um comentário sobre a postagem da Lei que cria a figura do Intermediador.

A pena alternativa é uma sanção usada timidamente por alguns Juízes, mas em contrapartida temos um grupo que apoia e defende a aplicação desse tipo de reprimenda que é muito mais eficaz e menos oneroso para o Estado.

A esses Magistrados meus aplausos e admiração! São corajosos e não se deixam pressionar pela mídia, que cobra incessantemente a prisão de pessoas que cometem delitos. Por certo, há situações que a aplicação da medida não tem amparo legal (tráfico e outros crimes hediondos), mas em muitos casos a pena alternativa poderia ser imposta.

Depois da inauguração do REVIV, na segunda feira, estive no presídio feminino conversando com a diretora sobre vários assuntos. Aproveitei para tirar algumas fotos. Vou fazer uma postagem sobre o tema num outro momento.

O fato é que o Presídio Feminino Ana Maria do Couto May está superlotado, a capacidade é de 180 vagas e hoje a unidade abriga 210 mulheres.

A pena alternativa seria uma saída viável para minimizar essa grande mazela que é a superlotação dos presídios.

Em 2000, quando eu atendia a unidade a média de ocupação era de 40 mulheres. Sobrava vagas. Hoje, 8 anos depois, a situação é outra. Faltam vagas. O número de reeducandas quintuplicou.

Não participarei do evento, mas aposto que será um sucesso!

terça-feira, 24 de junho de 2008

INAUGURADO O REVIV



Aproximadamente 300 pessoas participaram ontem (23.06.08) pela manhã da solenidade de inauguração do Centro de Referência de Atendimento às Mulheres Vítimas de Violência (Reviv), localizado no bairro Morada do Ouro, em Cuiabá, MT.

Estiveram presentes no evento: o prefeito Wilson Santos, a vice-prefeita Jacy Proença, a farmacêutica Maria da Penha Maia Fernandes, a ministra adjunta da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República Tereza Souza, dra. Gleide Bispo, Juíza das Varas de Violência Doméstica, eu, representando a Defensora Geral Karol Rotini, Ana Emília Iponema Brasil Sotero, presidente do CEDM-MT, a professora Marilise Esteves, presidente da BPW-Cuiabá e Ana Lúcia Ricarte, presidente da Comissão dos Direitos da Mulher da OAB-MT e a deputada federal Thelma de Oliveira.

Maria da Penha foi homenageada pela Prefeitura, pois, o auditório do REVIV recebeu o seu nome.

O Centro de Referência pretende oferecer serviços de assistência social, psicologia e jurídicos, através da Defensoria Pública do Estado.

A Defensora Geral sabendo da importância do Centro, está analisando a possibilidade de disponibilizar um(a) Defensor(a) durante um dia da semana no local.

Muito embora o ideal seja um(a) profissional atendendo diariamente, a Defensoria Pública do Estado não têm Defensores suficientes para atuar em todas as frentes de trabalho que vem surgindo ultimamente.

Quero parabenizar o empenho da professora Jacy, que não mediu esforços para a conclusão dessa primeira etapa. Parabéns ao Prefeito Wilson Santos que também apoiou o projeto!

segunda-feira, 23 de junho de 2008

INTERMEDIADOR SURGE PARA SOLUCIONAR CONFLITOS


Rose Domingues
Da Redação

Resolver conflitos familiares ligados a separação do casal a partir da figura de um mediador. A novidade surgiu a partir do Projeto de Lei 4.827, apresentado pela ex-deputada federal paulista Zulaiê Ribeiro em 1998, mas ganhou força em vários municípios do país que vem adotando a prática, como Maceió, capital de Alagoas. O objetivo é ter um profissional habilitado na área, que não precisa necessariamente ser um advogado, para desenvolver estratégias que diminuam as disputas nos tribunais.

Na periferia, a importância da orientação passa inclusive pelo conhecimento dos direitos e deveres do cidadão, inclusive na criação dos filhos, para que se evite o surgimento de uma figura comum: o ex-pai.

O presidente do Instituto Brasileiro de Direito da Família (IBDFAM) em Mato Grosso, Naime Martins Moraes, explica que o ideal seria o Estado montar centros de mediação com a figura de assistentes sociais, psicólogos, pedagogos e também bacharéis de Direito habilitados para atuar nessa área específica. O investimento refletiria certamente de forma positiva na própria organização social, ao combater problemas direto na raiz, como violência, uso de álcool e outras drogas, além da precária profissionalização para o trabalho. "É fato, muitas mulheres que apanham, mas não têm condições financeiras e/ou profissionais para se manter e aos filhos, então, acabam pedindo para voltar".

Ele acredita que a Lei Maria da Penha significou um avanço, porém, sugere algumas correções para que a proteção se amplie para toda família e não se limite apenas para as mulheres. Apesar de não muito frequente, há homens vítimas de violência dentro de casa, assim como idosos. Sobre a aprovação recente da guarda compartilhada dos filhos, há certas reticências que precisam ser avaliadas, já que o fato pode gerar uma guerra ainda maior durante o divórcio.

No dia 28 deste mês, começa em Cuiabá o Curso de Mediação Familiar. A realização é do Centro de Estudos da Família e do Indivíduo de Porto Alegre/RS (Cefi) e do terapeuta familiar Jean-Marc Muzzi Quitete. Naime Moraes é defensor da técnica, por ser eficiente para desobstruir os trabalhos nas varas de famílias e nas sucessões, levando a soluções mais fáceis, rápidas e menos onerosa. Contatos: (65) 3321-1613/ 9987-3231

Fonte: www.gazetadigital.com.br

domingo, 22 de junho de 2008

A Vingança - Parte XI


O marido decide mudar de atitude. Chega em casa todo machão e ordena:
- Eu quero que você prepare uma refeição dos deuses para o jantar e quando eu terminar espero uma sobremesa divina. Depois do jantar você vai me trazer um whisky e preparar um banho porque eu preciso relaxar. E tem mais: Quando eu terminar o banho, adivinha quem vai me vestir e me pentear?
- O homem da funerária... Respondeu placidamente a esposa...

sábado, 21 de junho de 2008

A Vingança - parte X


Marido pergunta pra mulher:
- Vamos tentar uma posição diferente essa noite?
A mulher responde:
- Boa idéia, você fica aqui em pé na pia lavando a louça e eu sento no sofá!!!!!

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Lula sanciona lei para guarda compartilhada de filhos


por Gláucia Milicio

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou, na manhã do dia 13/6, o Projeto de Lei 6.350/02 que estabelece a guarda compartilhada para filhos de pais separados. Agora, tanto o pai quanto a mãe passam a dividir direitos e deveres com obrigações conjuntas quando não tiver acordo no momento da separação. A lei foi sancionada no Palácio do Planalto e agora segue para publicação no Diário Oficial da União.

A nova lei, que altera o Código Civil, prevê que seja dada preferência a esse tipo de tutela em qualquer processo de separação. Antes da lei, a guarda fixada pela Justiça era sempre a unilateral. O filho ficava apenas com um dos pais. Com a guarda compartilhada, o pai e a mãe passam a dividir direitos e deveres relativos aos filhos e as decisões sobre a rotina da criança ou do adolescente.

O juiz passa a contar também com o auxílio de psicólogos, assistentes sociais e pedagogos para embasar sua decisão e decidir o melhor para a criança. Para isso, será levado em conta o cotidiano dos pais. Apenas quando não for possível formar essa equipe, o Judiciário consultará o Conselho Tutelar para tomar a decisão.

Para a advogada Priscilla Pereira de Carvalho, especialista em Direito de família, do escritório Castro, Barros, Sobral, Gomes Advogados, a nova lei tem seus prós e contras. O lado positivo, segundo ela, é o que trata da divisão da responsabilidade entre o casal. “O modelo de família mudou. Hoje a mulher tem a carga de trabalho igual a do homem. As obrigações precisam ser compartilhadas”

De acordo com ela, a lei também vem para corrigir certas injustiças que acontecia com a guarda unilateral. Ela deixou claro, no entanto, que a lei não impõe o modelo de guarda compartilhada. “O juiz deve dar preferência a este tipo de guarda, mas sempre visando o bem-estar da criança”.

O ponto negativo citado pela advogada foi quanto ao tempo em que o pai ou a mãe ficará com a criança. Segundo ela, esse tipo de guarda pode não ser uma boa opção para as crianças pequenas. “Elas precisam de rotina, de regras. Nesse ponto fica inviável”, afirmou.

Ainda segundo Priscilla Pereira, nos processo de separação tem de prevalecer o bom senso dos pais para que o bem-estar da criança seja resguardado. Senão, nenhum tipo de guarda será ideal, de acordo com ela.

A advogada Márcia Carraro Trevisioli já era contra a proposta desde que o Senado aprovou o texto, em novembro de 2007. Ela considera impossível que um casal que se separou por dificuldades na convivência possa compartilhar a educação de um filho.

“A guarda compartilhada seria ideal, desde que a relação dos pais fosse excelente, caso estabelecessem projetos semelhantes. Mas, isso é pura utopia. O que vejo nos tribunais são pais utilizando os filhos para negociar o pagamento dos alimentos e a partilha do patrimônio. Como esperar que pessoas feridas possam compartilhar a guarda de um filho se não souberam compartilhar uma vida em comum?”, questionou na ocasião.

Segundo ela, a instituição da guarda compartilhada trará um desequilíbrio ao bem-estar da criança que não está apta a escolher o caminho mais correto. A advogada explicou que, na maioria das vezes, o resultado é desastroso e causa inúmeros problemas para a formação da personalidade da criança como baixo rendimento escolar, distúrbios de personalidade e de conduta.

Com Agência Brasil

Revista Consultor Jurídico, 13 de junho de 2008


O que vocês acham meus(minhas) amigos(as)?

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Campanha de conscientização - CÂNCER DE MAMA

Fui gentilmente convidada pelo Oscar do Blog: By Oscar para participar de uma campanha com méritos filantrópicos, que tem o intuito de ajudar uma ONG a arrecadar fundos que serão repassados às mulheres em forma de mamografias digitais gratuitas.


Dados sobre o Câncer de Mama:

O primeiro sinal de câncer de mama geralmente aparece na mamografia mesmo antes de se sentir caroços ou antes de qualquer sintoma se fazer sentir.

Os riscos de se ter câncer de mama são maiores nas pessoas que tenham um histórico familiar de câncer mamário, hiperplasia atípica, dificuldade em engravidar depois dos 30 anos (ou que nunca engravidaram), que tenham tido menstruação precoce (antes dos 12 anos), menopausa tardia (depois dos 55 anos), que tenham tomado no passado (últimos 10 anos) ou presente pílulas contraceptivas e procedam ao consumo diário de bebidas alcoólicas.

A detecção precoce do câncer de mama, através do auto-exame mensal e mamografias anuais depois dos 40 anos, oferece melhores taxas de sobrevivência.

Cerca de 96% das mulheres que detectaram e trataram cedo o câncer de mama estarão menos sujeitas a reincidências durante 5 anos.

Mais de 80% dos nódulos mamários não são cancerígenos, mas sim benignos, aquilo a que se chamam cistos mamários

Nunca se é demasiado jovem para desenvolver um câncer de mama! O auto-exame deverá começar a ser efetuado a partir dos 20 anos.

Fonte: American Cancer Society National Cancer Institute Komen Foundation.

Ao clicar sobre o botão rosa (banner) do site The Breast Cancer Site, a vida de muitas mulheres pode ser salva. Se este site receber 8 milhões de cliques no botão rosa durante o mês de Junho, o seu principal patrocinador – Bare Necessities – doará $10,000 para mais mamografias grátis.

quarta-feira, 18 de junho de 2008

Lei Maria da Penha corre risco de ser contrariada


O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu continuidade na terça-feira, 10, ao julgamento do pedido de habeas corpus ajuizado por um homem acusado de agredir a esposa no Guará, Distrito Federal, onde a vítima, após prestar queixa e o inquérito ser instaurado, desistiu da acusação contra seu agressor. Diante disto, a Juíza arquivou o caso. O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) recorreu e o Tribunal de Justiça do DF reabriu o processo.

É a primeira vez que o STJ julga um caso de continuidade ou não de inquérito em decorrência da desistência da vítima de violência doméstica e familiar e sua decisão abrirá um precedente histórico no enfrentamento da violência contra a mulher. A Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06), no seu artigo 16, afirma "Nas ações penais públicas condicionadas à representação da ofendida de que trata esta Lei, só será admitida a renúncia à representação perante o juiz, em audiência especialmente designada com tal finalidade, antes do recebimento da denúncia e ouvido o Ministério Público". Neste caso, os únicos tipos de renúncia permitidos são os crimes de injúria e ameaça, mas não o de lesão corporal.

A ministra relatora Jane Silva, desembargadora do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (MG), afirmou que a Lei Maria da Penha precisa ser respeitada e o inquérito deverá prosseguir independentemente da vontade da vítima. "Tenho um comprometimento de 14 anos na luta contra a violência familiar e doméstica. Se nós não prestigiarmos a Lei Maria da Penha, a violência doméstica vai continuar" afirmou. A ministra também relatou uma experiência semelhante em que a vítima desistiu do processo e continuou sendo espancada pelo seu companheiro.

A promotora Laís Cerqueira Silva e o promotor de justiça Fausto Rodrigues de Lima concordam com a posição da ministra Jane Silva. "O que se discute aqui é saber se nos crimes de lesão corporal, como este, as vítimas devem ser questionadas ou não sobre a continuidade da investigação e instauração do processo", explica o promotor Fausto de Lima.

O promotor lembra ainda que, no ano passado no Distrito Federal (DF), o Tribunal de Justiça do DF deu continuidade ao processo de violência familiar contra o agressor, independente da vontade da vítima.

De acordo com a Lei Maria da Penha, o crime de lesão corporal não precisa de autorização da vítima para dar continuidade ao processo. A Lei prevê que a Promotoria tem que agir mesmo nos casos em que a vítima desiste do processo porque, em muitos casos, estas vítimas são dependentes financeira e emocionalmente do agressor.

Os ministros Nilson Naves e Hamilton Carvalhido, da Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), defendem que uma ação penal depende da representação da ofendida e acreditam que admitir a renúncia é mais benéfico para a vítima e para o agressor.

Já o ministro Paulo Galloti e a ministra Maria Thereza de Assis pediram vistas para melhor avaliarem o caso.

A organização Agende Ações em Gênero, Cidadania e Desenvolvimento (AGENDE), que faz parte da Coordenação Nacional do Observatório da Lei Maria da Penha instituído no ano passado, alerta para a decisão que pode contrariar a Lei Maria da Penha no que se refere ao crime de lesão corporal oriundo da violência doméstica previsto na Lei e convoca às organizações feministas e os movimento de mulheres para o acompanhamento do processo HC 96992 em tramitação no Superior Tribunal de Justiça.

Ivonne Ferreira

Assessora de Comunicação - AGENDE

terça-feira, 17 de junho de 2008

PROPOSTA “PROGRAMAÇÃO DA VII SEMANA DE PREVENÇÃO ÀS DROGAS DE MATO GROSSO”



19/06/2008 – QUINTA-FEIRA

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

08:30 11:30

- Solenidade de Abertura da Semana de Prevenção às Drogas.

- Relatório das atividades da Coordenadoria e Gerências

- Posse dos Conselheiros do CONEN pelo Governador Blairo Maggi

- Homenagem aos Vencedores do Concurso de Cartazes 2007/SENAD

- Entrega dos Diplomas “Mérito Pela Valorização da Vida”

- Entrega de Computador e Máquina Digital para os COMADS e Comunidades Terapêuticas

Auditório do Ministério Público de MT Rua: 06 s/nº - Centro Político Administrativo – Bairro C.P.A – Cuiabá-MT


20/06/2008 – SEXTA-FEIRA

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

08:00 09:00

14:00 15:00

19:00 20:00

19:00 20:00

08:00 09:00

14:00 15:00

19:00 20:00

- Circuito de Palestras nas Escolas do PROJOVEM

- Circuito de Palestras nas Escolas do PROJOVEM

- Circuito de Palestra nas Escolas do PROJOVEM

- Circuito de Palestras nas Escolas do PROJOVEM

- EMEB – Lenine Campos Póvoas – Rua Salgado Filho, 321 Jd. União - Cuiabá

- EMEB – Ulisses da Silva Guimarães – Rua 07 de Setembro, s/n Bairro: Ouro Fino - Cuiabá

- EMEB – Agostinho Simplício de Figueiredo – Av. Amarildo de Almeida, 828 – Bairro Poção - Cuiabá

- EMEB – Maria Dimpina L Duarte – Av. Fernando Corrêa da Costa 4.695 – Bairro Coxipó - Cuiabá


22/06/2008 – DOMINGO

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

08:00 - 12:00

- Pedalada pela Vida realização da Pastoral da Sobriedade e Conselho Municipal Antidrogas de Rondonópolis – COMAD

- Rondonópolis


23/06/2008 SEGUNDA FEIRA

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

08:00 17:30

19:00 20:00

08:00 09:00

14:00 15:00

19:00 20:00

19:00 20:00

- Curso de capacitação


- Circuito de Palestra nas Escolas do PROJOVEM

- Escola de Saúde Pública de Cuiabá


- EMEB – Silvino Leite de Arruda Rua Neblina, 176 -
Bairro: Planalto - Cuiabá



24/06/2008 – TERÇA FEIRA

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

08:00 17:30

09:00 10:00

14:00 15:00

17:00 18:00

Curso de Capacitação em Álcool e Drogas para Equipes de CAPS

- Blitz Educativa

- Blitz Educativa

- Blitz Educativa

- Escola de Saúde Pública de Cuiabá-MT

- Av. Fernando Corrêa da Costa (Galeria Itália)l

- Av. da FEB Zero Km em Várzea Grande

- Av. Mato Grosso com a Rubens de Mendonça


25/06/2008 – QUARTA –FEIRA

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

08:00 17:30

08:00 17:00

19:00 20:00

19:00 20:00

19:00 20:00

22:00 24:00

- Curso de Capacitação em Álcool e Drogas para Equipes de CAPS

- Ação de Prevenção ao uso Indevido de Álcool e outras Drogas “ Work Shop”

- Circuito de Palestra nas Escolas do PROJOVEM

- Circuito de Palestra nas Escolas do PROJOVEM

- Circuito de Palestra nas Escolas PROJOVEM

- Sensibilização nos bares da Capital e em Várzea Grande

- Escola de Saúde Pública de Cuiabá-MT

- Tribunal de Contas de Contas de Cuiabá-MT

-EME - Firmo José Rodrigues – Rua Principal, s/n – Bairro- Três Barras – Cuiabá-MT

- EMEB – Agostinho Simplício – Av. Amarildo de Almeida , 828 Bairro: Poção Cuiabá-MT

- EMEB – Escola Gastão de Matos Muller – Av. Integração – Bairro Pedra 90 3ª Etapa – Cuiabá-MT

- Lamburgues – CPA; Chopão; Halls Bier; Kanekão; Meu Canto Grill V. Grande.


26/06/2008 – QUINTA-FEIRA

HORÁRIO

ATIVIDADE

LOCAL

13:30 15:30

15:00 18:00

18:30 20:00

20:00

Curso de Capacitação em Álcool e Drogas para Equipe de CAPS – Palestra CONEN-MT

- Caminhada pela Vida

- Demonstração de Cães Farejadores, Demonstração de Resgate do Corpo de Bombeiros e demais apresentações culturais.

- Encerramento da VII Semana Estadual de Prevenção as Drogas com Show

Escola de Saúde Pública de Cuiabá-MT

-Concentração em Frente ao Colégio São Gonçalo as 15:00 horas Av. XV de novembro até a praça Alencastro de Frente a Prefeitura de Cuiabá-MT.

- Praça Alencastro









segunda-feira, 16 de junho de 2008

Respondendo a outro meme!

Desafio aceito, desafio cumprido. Quem me repassou foi a Cristiane Fetter do Todoyda.

Quatro empregos que eu já tive:

Já fui fotógrafa (meu pai tinha foto, não se falava em estúdio fotográfico naquela época, e me colocou para bater retrato).
Já fui balconista (minha mãe montou uma loja e me colocou para atender o balcão).
Já fui professora (ninguém da minha família montou escola, eu é que sai a procura de algo para fazer que não fosse administrar "os negócios da família").
E trabalhei como contato publicitário de um jornal local (em outras palavras vendedora de anúncio e assinatura).


Quatro filmes que eu assisto sempre que passam:

Ghost
Cine Gibi (desenho animado)
Carros (desenho animado)
O Espanta Tubarões (desenho animado, meu filho de 4 anos sempre pede para eu assistir com ele)

Quatro lugares que eu já morei:

Avenida Couto Magalhães, V. Grande, MT
Rua Dom Aquino Correa, V. Grande, MT
Avenida Arthur Bernardes, V. Grande, MT
Rua do Livramento, V. Grande, MT

Quatro programas de TV que eu gosto:

Jô Soares
Super Nany
Jornal Hoje
Hoje em Dia

Quatro pessoas que me mandam e-mail regularmente:

Maria Fernanda
Maria Alice
Eleudes
Karol

Quatro coisa que você faz todo dia sem falta:

Só o número 1 (eu sou meio ressacada kkkk)
Beber água
Higiene pessoal
Comer

Quatro comidas favoritas:

Frutas
Saladas
Massas
Carnes

Quatro lugares onde eu gostaria de estar:

Na minha casa
Na casa da minha mãe
Na minha casa em Chapada
Em qualquer praia do Nordeste

Quatro pessoas que eu desafio:

Fernanda - do Educando por aí
Rô - Na casa da Vovó: Um beijo e um abraço especial pelo seu aniversário!
Gente passa lá para dar os parabéns! Levem um pedaço do bolo.




Scliar - Humoracido
Rose – Um Caminho cheio de flores e outros valores

domingo, 15 de junho de 2008

A vingança - Parte IX


Na cama, o marido se vira para a jovem esposa e pergunta:
- Querida, me diga que sou o primeiro homem da sua vida.
Ela olha para o babaca e responde:
- Pode ser... Sua cara não me é estranha...

sábado, 14 de junho de 2008

A vingança - Parte VIII


Um casal vinha por uma estrada do interior, sem dizer uma palavra.
Uma discussão anterior havia levado a uma briga, e nenhum dos dois queria dar o braço a torcer. Ao passarem por uma fazenda em que havia mulas e porcos, o marido perguntou, sarcástico:
- Parentes seus?
- Sim, respondeu ela. Cunhados e sogra...

sexta-feira, 13 de junho de 2008

Lei Antimanicominal e a saúde mental das mulheres encarceradas

Este foi outro assunto discutido no III Encontro sobre A situação da mulher no sistema carcerário.

Esse assunto não te interessa?

Mas eu vou te mostrar que pode interessar sim:

Quantos de nós já não tivemos um momento de loucura em nossa vida? Um desequilíbrio, um desvario...

E será que não temos em nossa família alguém com problemas mentais e nem sabemos?

As vésperas do dia das mães fui chamada pela Delegacia de Homicídios para acompanhar o depoimento de uma mulher de 20 poucos anos que havia matado seu próprio filho de três afogando-o dentro de uma caixa d'água.

Ela declarou que ouvia vozes. Há algum tempo vinha fazendo tratamento mental com uma psiquiatra. A médica foi chamada para ser ouvida e confirmou o que eu imediatamente pensei: é louca!

Tinha esquizofrenia e outras coisas lá que eu não sei repetir... algo haver com psicose...

Enfim, a LOUCURA pode acometer qualquer um de nós!


O Promotor de Justiça de Goiás, dr. Haroldo Caetano da Silva, falou sobre a lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001 (Lei Antimanicomial ou Lei da Reforma Psiquiátrica), explicando que a veio contemplar o modelo humanizador historicamente defendido pelos militantes do Movimento Antimanicomial, mais conhecido como Luta Antimanicomial, tendo como diretriz a reformulação do modelo de atenção à saúde mental, transferindo o foco do tratamento que se concentrava na instituição hospitalar para uma rede de atenção psicossocial, estruturada em unidades de serviços comunitários e abertos. Embora haja muita confusão quanto ao tema, a medida de segurança não tem a mesma natureza retributiva da sanção penal. Diferentemente da pena imposta ao indivíduo imputável (aquele que responde penalmente pelos seus atos), a internação e o tratamento ambulatorial aplicados ao agente inimputável (aqueles com problemas mentais) visam exclusivamente à recuperação deste e não à expiação de castigo. Tal objetivo é agora reforçado pela Lei Antimanicomial que, dentre outras regras, estabelece:

LEI Nº 10.216/2001

Art. 4º. A internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes.

§ 1º. O tratamento visará, como finalidade permanente, a reinserção social do paciente em seu meio.

§ 2º. O tratamento em regime de internação será estruturado de forma a oferecer assistência integral à pessoa portadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos, de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e outros.

§ 3º. É vedada a internação de pacientes portadores de transtornos mentais em instituições com características asilares, ou seja, aquelas desprovidas dos recursos mencionados no § 2º e que não assegurem aos pacientes os direitos enumerados no parágrafo único do art. 2º.

A história de Quitéria, uma mulher com problemas mentais que estava internada indevidamente em uma penitenciária, e acabou sendo assassinada pela suas colegas de cela durante uma rebelião me chocou! Qualquer ser humano tem direito a um tratamento digno, e se for doente, mais cuidado ainda ele deve receber do Estado, responsável pela sua custódia.