terça-feira, 30 de setembro de 2014

Comunidade Terapêutica "Valorizando a Vida"

Estive hoje pela manhã visitando uma CT particular que fica na estrada de Santo Antônio a convite da minha amiga e proprietária do local. 

Tive uma boa impressão, primeiro porque é aberta, ou seja, se o dependente não quiser permanecer ali, ele tem todo o direito e facilidade de ir embora. Passa ônibus bem pertinho.

Conheci Dirce Gomes da Guia Taques quando contratei os serviços de uma empresa de cuidadores para atender minha mãe, portadora de mal de Alzheimer. A empatia entre nós foi instantânea. Ela foi enviada pela empresa para prestar serviços de enfermagem durante alguns finais de semana. 

Já naquela ocasião me confidenciou que gostaria muito de montar uma clínica para oferecer tratamento a adictos. Passado alguns meses após o falecimento de minha mãe, recebi um telefonema dela dizendo que havia começado seu projeto e que estava organizando a festa de natal para os seus hóspedes.

Atuando durante oito anos junto a Vara de Violência Doméstica e Familiar, percebi que o maior problema das vítimas que por ali passavam era de dependência química de alguém da família.

E na Execução Penal não era diferente. Cansei de ouvir a mesma frase inúmeras vezes: _ "o problema do meu filho é a droga, se ele não parar de usar ele vai voltar para cadeia."

Estudando sobre o assunto e com a ideia fixa de ajudar a reativar uma comunidade terapêutica na cidade onde moro resolvi ligar para Dirce e fui lá conferir.

Conversei com Dário, terapeuta e funcionário da comunidade, que me relatou sobre o programa de recuperação aplicado no estabelecimento. Ele havia acabado de fazer um dos muitos cursos oferecidos pela FEBRACT (Federação Brasileira de Comunidades Terapêuticas).

Para o tratamento funcionar é necessário que a família frequente uma sala de 12 passos e a mais indicada é o Amor Exigente. Todos do núcleo familiar precisam ter consciência de que os conflitos não se acabam com a "internação" do dependente e que muitas vezes não é ele ou ela (adicto ou adicta) o problema.

Maiores informações pelo celular: (65) 9993-4828.

 Recepção

 Sala de reunião

 Refeitório e quadro de tarefas

Lazer: mesa de ping pong

 Lazer: campo de futebol

 Cozinha

 Fogão à lenha

 Laborterapia: horta

 Laborterapia: pães feito pelos acolhidos

sábado, 20 de setembro de 2014

Destino: Cidade do Panamá

Então...estive no Panamá em 2008 pela primeira vez para participar de um Encontro Jurídico e mais recentemente no mês de Julho em razão de uma viagem cujo destino final era Cuba. Não é necessário visto.

E depois desses 6 anos muita coisa mudou: o Canal agora com mais atrativos: museu, simulador de um navio passando pelas eclusas e uma obra ampliando o Canal que deve começar a operar em 2016. 

Miraflores, o restaurante que fica no segundo piso do prédio que abriga todo o receptivo turístico, caiu em qualidade. Há 6 anos era infinitamente melhor. Fazer o que? Nem tudo são flores!!! Algumas coisas a gente só "mira".

Platea é um bar de jazz que na época conheci e soube que ainda funciona em alguns dias da semana. Na primeira vez foi muito bom.

Jantamos uma das noites no  Veggie Moon, local agradabilíssimo que serve um salmão espetacular, de textura inigualável. O simpático venezuelano Juan, quando percebeu que o cardápio do Diablicos não nos interessou, se ofereceu para nos levar ao outro restaurante de sua propriedade, sem compromisso, ali mesmo no bairro do Casco Antigo, que é imperdível: de dia ou de noite.

Em geral come-se muito bem e por um preço acessível.

Fomos a Portobello de trem previamente combinado com o taxista: Ricardo (6530-6759), que nos deixou na estação na Cidade do Panamá e nos pegou em Cólon. Atravessamos uma das eclusas enquanto estavam fechadas. É isso mesmo. Quando o taxista nos falou sobre essa travessia, achamos que fosse no sentido figurado...mas não.

Logo após atravessá-la entramos numa base do exército dos americanos, hoje abandonada. Ali fixaram residência quando ainda detinham o poder sobre o Canal. Conhecemos o Forte de San Lorenzo cuja paisagem é memorável! E de quebra no final do passeio o nosso guia taxista ainda nos levou a uma praia do Caribe. Show de bola!!!

Infelizmente não conseguimos visitar San Blás. Segundo Ricardo, que trabalha como prestador de serviço para uma agência de turismo, seria preciso um grupo maior de pessoas para os índios que controlam os passeios organizarem uma excursão a uma das ilhas habitadas. Vai ficar para a próxima.

Alguns hotéis disponibilizam serviço de translado para o Shopping Allbrook, mas o metrô havia sido recentemente inaugurado e uma das estações é justamente o citado shopping, portanto, não escolha a hospedagem somente por este fator.

Muito quente. Leve muita roupa leve e tênis. Digo que senti calor tanto quanto aqui em Cuiabá. Vale a pena com toda certeza e se puder ir a San Blás, programe-se com antecedência.

sábado, 13 de setembro de 2014

DESTINO: LIMA, CUSCO E MACHU PICHU

Estive no começo do mês no Peru. Pertinente alertar que se você não tiver preparo físico procure outro destino ou então feche um passeio com mais tempo de viagem. Eu adquiri um pacote de 2 dias em Lima, 2 dias em Cusco e 2 dias em Machu Pichu. Foi exaustivo. Com 44 anos, mesmo fazendo aulas de muay thai,  de duração de uma hora, três vezes por semana, seguida de 30 minutos de musculação, intercaladas com Pilates, fiquei muito cansada em razão da altitude.

Não deu tempo de conhecer alguns museus que eu gostaria e determinados pontos turísticos que valeriam muito a pena. A cultura peruana é extremamente rica tanto quanto os seus recursos naturais.

Dormimos duas noites em Lima. Hospedei-me no Allpa, que fica no bairro Miraflores. Próximo ao local há uma praça da onde sai o Bus Tour com passeios para vários pontos turísticos.

Tivemos oportunidade de ir conferir a Mistura, uma das mais importantes feiras gastronômicas da América Latina.

Em Lima não chove desde 1970, mas garoa e o clima para quem está acostumado com calor de Cuiabá é frio. Vale a pena conhecer o shopping Larcomar, onde fica o restaurante Mangos, com vista panorâmica para o mar.

No dia seguinte saímos de madrugada para desembarcarmos em Cusco, 3.400 metros acima do nível do mar.  Ficamos hospedados no MamaSara. Vale o custo benefício.
 
Durante o City Tour e visita ao Sítio de Qorikancha, em Cusco, tive dor de cabeça que foi resolvida com um comprimido que um casal de baianos me forneceu. O nome do remédio? Sei lá... o desespero era tão grande que tomei sem perguntar sequer qual a composição do medicamento, mas se você é alérgico e costuma ter mal estar súbitos quando muda de ambientes, leia este post, que é de um médico mochileiro.

Antes de subirmos ao  Sítio de Qorikancha combinamos de encontrarmos com o guia em frente à Catedral de Cusco, na Plaza das Armas, onde havia várias peruanas vendendo capas e guarda chuvas. É óbvio que não comprei e ainda deduzi que era algo para tirar dinheiro fácil de turista.

No horário combinado nos foi indagado se preferíamos ir primeiro a Qorikancha, onde o tempo era instável e poderia estar mais frio se deixássemos para fazer o passeio depois da visita à Catedral. Então, todos concordaram em ir a Qorikancha antes da Catedral.

E advinha? Aquela tarde ensolarada de uma hora para outra escureceu, começou a chover e o frio aumentou sensivelmente. Deveria ter comprado a capa de chuva...era super barato. A boa notícia é que não demorou muito para o sol voltar a brilhar, mas o frio continuou: a sensação térmica era de uns 5 graus.

No dia seguinte, pegamos o trem pela Peru Rail, na estação de Poroy, cidade situada a 20 minutos de Cusco, para chegarmos a Machu Pichu. No caminho pudemos avistar as cápsulas situadas a uma altura absurda, onde os mais aventureiros podem passar a noite. Segundo um dos atendentes do serviço de bordo do trem, o pernoite custa em torno de mil sóles, ou o equivalente a mil reais.


Machu Pichu é incrível!!! Dormimos uma noite no Casa Andina, onde o café da manhã é complementado com uma vista muito agradável.

Para Machu Pichu você só pode levar uma mochila ou bolsa de mão. Não se assuste: a cidade é bem mais quente que Cusco. Faça a viagem com uma camiseta de manga curta por baixo das roupas de frio. No decorrer da viagem vai sentir a diferença do clima em razão da vista dome. Para percorrer o Parque Arqueológico sugiro calça jeans e uma camiseta leve, mas não deixe de levar capa de chuva. No domingo, dia 07 de setembro, subimos com um sol a pino, descemos com o tempo nublado e quando esperávamos o ônibus para ir ao hotel pegamos uma chuva torrencial.

Indico a viagem, mas... programa-se para ficar pelo menos 8 dias. Quem gosta de contemplar a natureza, fotografar e conhecer a história do País precisa desse tempo no mínimo.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

ONG instala banheiros em cidade indiana após estupro de meninas


Fonte: Yahoo Notícias em 01/09/14

Uma ONG doou mais de cem banheiros para um povoado no norte da Índia, onde, como em muitas áreas rurais do país, as mulheres tinham de fazer suas necessidades ao ar livre, ficando expostas a estupros.

"Eu acredito que nenhuma mulher deveria se arriscar, incluindo suas vidas, porque precisam defecar fora de suas casas", declarou Bindeshwar Pathak, fundador da Sulabh, uma organização de caridade responsável pela instalação dos banheiros.

"Nosso objetivo é instalar um banheiro em cada casa do país em um futuro não muito distante", disse Pathak à AFP na cidade de Katra Shahadatgunj.

A imprensa internacional tem falado desde maio desta pequena cidade do estado de Uttar Pradesh, no norte da Índia, após o estupro e assassinato de duas adolescentes encontradas enforcadas em uma árvore.

A descoberta dos corpos das duas primas, da casta dos intocáveis, de 14 e 12 anos, nesta cidade humilde do distrito de Budaun provocou uma onda de indignação no país.

O caso voltou a colocar em evidência a dificuldade de prevenir a violência sexual na Índia, apesar do endurecimento das leis após o estupro coletivo e morte de uma estudante em Nova Deli no final de 2012.

De acordo com o relato do pai de uma das vítimas à AFP, as duas primas foram agredidas quando saíram para o campo para ir ao banheiro, já que não dispunham de sanitários em casa.

A Unicef ​​estima que cerca de 594 milhões de pessoas, ou cerca de 50% da população da Índia, defeca ao ar livre, especialmente em áreas rurais pobres.

Isso expõe 300 milhões de mulheres e meninas a fazer suas necessidades fora de casa, com o risco de doenças e infecções ou ainda ataques.

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi prometeu instalar sanitários para as mulheres em áreas rurais.

"Estamos no século XXI e ainda não há dignidade para as mulheres que têm que esperar a noite para se aliviar", disse Modi em meados de agosto.

O chefe de governo anunciou que dentro de quatro anos cada casa deverá ter um banheiro, e que todas as escolas deverão ter banheiros separados para meninos e meninas.

Dhanwati Devi, mãe de três filhos e Katra Shahadatgunj, que agora possui um banheiro em casa, disse que se sentia aliviada. "Tinha tanto medo quando precisava sair sozinha no escuro, porque poderia ser agredida por um criminoso depravado a qualquer momento",declarou.

"Antes sonhava que um dia minha casa teria um banheiro. Agora que eu tenho um, eu me sinto orgulhosa e aliviada", disse a mulher, de 48 anos, na frente da casa pintada de azul e rosa.

"Estes banheiros vão dar um novo sentido à nossa existência", considerou Premwati Devi, de 45 anos, mãe de cinco filhos.

"Agora já não temos que esperar ficar escuro para fazer nossas necessidades. Podemos usar o banheiro quando queremos", acrescentou.