segunda-feira, 29 de setembro de 2008

A Vinganca - Parte XVIII

E para iniciar bem a semana, vamos rir um pouquinho?

O marido vaidoso compra um sapato novo.
Chega em casa e fica andando pra lá e pra cá e nada da mulher perceber sua nova aquisição.
Pra chamar atenção ele resolve tirar toda roupa.
Completamente nú ele aparece novamente andando pra lá e pra cá.
A mulher finalmente pergunta:
- Ficou doido? O que você faz andando pra lá e pra cá com esse p... pendurado à mostra?
O marido aproveita a oportunidade e responde:
- É que ele está olhando para o meu sapato novo.
E ela retruca:
- Por que você nao comprou um chapéu?


Texto copiado do blog Xis Tudo, da Sahmany

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

ATENDIMENTO ESPECIAL NO DIA DO IDOSO



No dia 13/09 (sábado) durante toda a manhã, foi realizado um mutirão no núcleo de Várzea Grande onde foram atendidos processos na área de família e em especial os idosos.

A ação, sugerida pela Dra. Regiane Xavier Dias Ribeiro, Coordenadora do Núcleo Estadual de Cidadania, teve como foco um atendimento especial à terceira idade. Outros núcleos deverão promover atividade semelhante para registrar o Dia do Idoso, comemorado nacionalmente em 27 de Setembro.

O evento contou com a participação de duas Defensoras: Cleide Regina Ribeiro Nascimento e Tânia Regina de Matos, além de doze estagiários(as).

Um café da manhã foi oferecido aos assistidos. Ao todo 101 pessoas foram atendidas.

A equipe que trabalhou almoçou no local e no período da tarde recebeu capacitação em Direito Processual Penal pelo doutor Edson Jair Weschester, Procurador da Defensoria Pública, que falou sobre as modificações do procedimento do júri além de outras alterações ocorridas no Código de Processo Penal.

A capacitação visou qualificar a mão de obra dos estagiários e padronizar o atendimento criminal proporcionando dessa forma melhorias para a clientela da Defensoria Pública.



quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Agradecimento ao selo


Mais uma vez minha querida amiga Rô, do Blog Na casa da Vovó me presenteou com um selo. Quero agradecê-la por mais este mimo e dizer que se Mamãe Noé existe, eu tenho certeza que já sei quem é.

Repasso o selo às minhas amigas Mirian, do Gente Sem Saude, Eliana do Espaco Mensaleiro e para a Cris do Novo Blog da Cris.

Abraços

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

Maria da Penha reduz impunidade em casos de violência doméstica


Veículo: A Tribuna

Data: 07/08/08

Estado: MS

A opinião é da Coordenadora Especial de Políticas Públicas para a Mulher do governo do Estado, Carla Stephanini e foi dada no Primeira Notícia quando completou dois anos da sanção da Lei Maria da Penha.

“São dois grandes méritos da lei: aumentou o rigor na punição que hoje é de três meses a tres anos e, sobretudo, deu à mulher vítima de violência a certeza de que o agressor não ficará impune. Isso sem contar que a lei protege a mulher da agressão familiar, não só do marido, mas também do filho ou de qualquer pessoa com a qual ela tenha uma relação afetiva, morando ou não debaixo do mesmo teto” avaliou.

Carla disse ainda que a visibilidade que a mídia está dando à lei é fundamental para que diminuam os casos e aumente o número de denúncias. “Essa divulgação não foi só na época da edição da lei, mas até agora quando ela completa dois anos. A inclusão do tema na novela das oito, no personagem da Lilia Cabral e em um núcleo onde a violência doméstica impera, também é importante para reflexão. Estamos ansiosos para vê-la dar um basta nisso”, ressaltou.

Outro benefício da lei é a proteção contra todo tipo de violência. “Porque quando falamos em violência, a pessoa já liga imediatamente à violência física, mas também tem a moral, a psicológica e a patrimonial na qual o agressor - após uma briga - pega os documentos da mulher e rasga ou se apropria dos pertences dela”, explicou Carla.

Parcerias

Em algumas partes do Brasil, há dificuldades na aplicação da Lei Maria da Penha mas, em Mato Grosso do Sul, segundo a coordenadora especial, há uma sintonia entre Poder Judiciário, Delegacia Especializada, Defensoria Pública da Mulher e Ministério Público no cumprimento das regras.

“Nós temos uma ótima interlocução; tivemos apenas um caso desagradável na vara de Itaporã, onde o juiz considerou a lei inconstitucional e a 2ª turma também. O lado positivo é que - em Campo Grande - temos uma vara especializada e o juiz titular é muito próximo à coordenadoria, ao MP e à defensoria. O que nós queremos agora é reorganizar a rede de enfrentamento à violência contra a mulher”, disse Carla Stephanini.

Vários órgãos estão preparados para atender e encaminhar as mulheres vítimas de violência: o Centro de Atendimento à Mulher Vítima de Violência, a Casa Abrigo, a Defensoria Pública da Mulher (3361-7519), o SOS Mulher (0800-67-1236), a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (3384-1149) e o serviço nacional de orientação à mulher (180).

Trabalho com o agressor

Na filosofia adotada pela coordenadoria, não basta atender a mulher; é preciso também dar atenção ao homem agressor, para que ele mude de comportamento e pare de cometer atos de violência. Nesse sentido, um projeto está sendo desenvolvido com a Universidade Católica Dom Bosco para evitar a reincidência. Os agressores são estimulados a refletir e mudar de atitude, deixando de usar a violência como forma de resolução dos conflitos.

“É fundamental criar esse espaço para a população masculina questionar o significado da violência e o que pode fazer para evitá-la, construindo alternativas para a solução de conflitos, que não envolvam esta prática. A erradicação da violência contra a mulher é condição sine qua non para alcançarmos uma sociedade mais justa e saudável, baseada no respeito e eqüidade das relações entre homens e mulheres”, concluiu a coordenadora Carla Stephanini.



A Lei Maria da Penha foi sancionada em 07.08.06, mas só entrou em vigor 60 dias após sua publicação, portanto, esta data merece ser lembrada.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Seminário sobre a Lei Maria da Penha


O NUEPOM - Núcleo de Estudo e Pesquisa e Organização em Gênero - em parceria com a Rede Mulher de Educação e o Fórum de Articulação das Mulheres de Mato Grosso está organizando um Seminário sobre a Lei 11.340 – Lei Maria da Penha, que acontecerá nos próximos dias 26 (à noite) e 27 (manhã), neste mês de setembro, na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Na oportunidade, serei uma das palestrantes, no dia 26 de setembro, no período noturno. Falarei sobre a "IMPORTÂNCIA DA DEFENSORIA PÚBLICA NA EFETIVAÇÃO DA LEI FEDERAL N° 11.340/2006, LEI MARIA DA PENHA".

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Injustiça de uma justiça lenta


Estou repostando...

Tenho um filho de 4 anos que adora água, portanto, ama piscina.

Já tive oportunidade de brincar com meu filho numa piscina.

Tenho um medo horrível de pensar que ele pode se afogar.

Já fiquei colada no ralo de sucção de uma piscina, mas nunca havia imaginado que isso pudesse causar danos irreversíveis a uma criança.

Meu filho ainda não sabe nadar, logo, só fica na piscina com um adulto, mas ele está tomando aulas de natação numa academia.

Um dia ele aprenderá a nadar e com certeza vai querer ir para piscina sozinho.

Lendo a estória de Flavia, vi o quanto nós, consumidores, somos vulneráveis ao perigo e notei o quão são irresponsáveis os fabricantes desses aparelhos.

Jamais li avisos sobre o risco.

Cada vez mais somos seduzidos pelas imagens que nos agradam. Crianças sorrindo dentro da água. Sol escaldante. Bóias, espaguetes, escorregadores, trampolins e outros apetrechos são exibidos, mas em momento algum somos advertidos dos perigos.

O marketing em cima dos produtos é impetuoso. E nós assistimos a isso tudo sem nos atentarmos para os riscos até que um acidente como o da Flávia nos alerte.

A melhor maneira de evitar que histórias tristes como a da Flávia se repitam é divulgarmos a notícia, cobrarmos fiscalização e informação.

Importante também que o Ministério Público faça essa e outras empresas que fabricam tal artefato assinarem um termo de ajustamento de conduta para divulgar o risco de afogamento. Seria o mínimo para nos proteger.

sábado, 13 de setembro de 2008

MULHER ADVOGADA


Um jovem advogado, descobriu que herdaria uma fortuna quando seu pai, muito doente, morresse. Decidiu que precisaria de uma mulher para ser sua companheira. Assim, uma noite foi para o bar da OAB, onde encontrou a advogada mais bonita que já tinha visto. Sua beleza natural tirava-lhe o fôlego.

_ Eu posso parecer um advogado comum _ disse, enquanto se apreoximava da musa _ mas em cerca de um mês ou dois meu pai vai morrer e herdarei 20 milhões de dólares.

Impressionada a mulher foi para casa com ele naquela noite e três dias depois se tornou sua madrasta!...

kkkkkkkkk

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

SOLIDARIEDADE: AJUDE UMA OBRA SOCIAL


Atendendo a um pedido de uma amiga, a Rô, do Blog Na Casa da Vovó, estou postando esse link e pedindo ajuda de todos que frequentam este espaço ou que por aqui passam eventualmente.

A Oficina Escola De Angelis foi fundada em 1988 e precisa de sua ajuda. Através do Projeto Generosidade a referida obra social poderá receber uma ajuda financeira e ampliar sua obra social.
Para saber mais acesse o site:Projeto Generosidade

E hoje tem Conferência de Direitos Humanos

4ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE DIREITOS HUMANOS DE MATO GROSSO
DE 10 A 12 DE SETEMBRO
HOTEL FAZENDA MATO GROSSO
ABERTURA OFICIAL: 4ª FEIRA, 8H.

sábado, 6 de setembro de 2008

A Vingança - parte XVII


Uma família feliz está à mesa de jantar quando o filho fala se poderia fazer uma pergunta. O pai responde:
- Claro, filho, vá perguntando!
E o filho:
- Papai, quantos tipos de seios existem?
O pai, um tanto surpreso, responde:
- Bem, meu filho, existem três tipos de seios. Aos 20 anos a mulher tem seios como melões, firmes e redondos. Dos 30 aos 40 eles são como pêras, ainda belos, porém um pouco caídos...
Aos 50 os seios ficam como cebolas...
E o filho:
- Cebolas?!
E o pai:
- Sim. Quando você olha para eles, fica com vontade de chorar!
Esta explicação leva a mãe e a filha a um ponto nevrálgico tal, que a
filha pergunta:
- Posso também fazer uma pergunta um tanto pessoal?
- Mãe, quantos tipos de pênis existem?
A mãe fica um pouco surpresa, mas olha para o marido e responde:
- Bem, filhinha, um homem passa por três fases distintas. Aos 20 anos o pênis é como um pé de Jacarandá, respeitável e firme. Dos 30 aos 40 anos o pênis é como um pé de Chorão, flexível mas confiável. Após os 50 anos o pênis fica como uma árvore de Natal.
E a filha:
- Árvore de Natal?!
E a mãe:
- Isso mesmo. Morto da raiz até a ponta, e as bolas ficam penduradas como decoração!! E o pior: só se arma uma vez por ano!!!
NÃO MEXE COM QUEM TÁ QUIETA!!!!

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Licença maternidade de 180 dias, direito a ser garantido

por Liège Rocha*

O movimento feminista brasileiro, no processo de discussão da constituinte de 1988, mobilizou-se para debater a ampliação da licença maternidade para 120 dias, no meio de polêmicas entre as que afirmavam que esta reivindicação poderia se transformar em barreira para a entrada da mulher no mercado de trabalho e as que defendiam, ferrenhamente, este direito como justo e necessário.


A União Brasileira de Mulheres -UBM, fundada em agosto de 1988, participou desse momento e no Manifesto Programa aprovado no seu 1º Congresso afirma:
"Queremos um país que reconheça na maternidade uma função social, considerando os filhos como futuros cidadãos desse país e que o Estado e a sociedade assumam conosco as responsabilidades de educá-los e assegurar sua sobrevivência. A ampliação da licença maternidade e a conquista da licença paternidade são expressões sensíveis de que a sociedade avança nesse reconhecimento."

Hoje, 20 anos depois, está em pauta a discussão da ampliação da licença maternidade para 180 dias, aprovada na Câmara Federal, mais uma vez, em meio a opiniões prós e contrárias. O presidente da Confederação Nacional da Indústria, Armando Monteiro, segundo matéria publicada na Folha de São Paulo, afirma que a entidade a qual preside é contra a ampliação da licença em decorrência do custo muito alto que representa para o conjunto da sociedade, no que é aí rebatido pela Ministra Nilcéia Freire, da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, que esclarece que o projeto prevê isenção fiscal e não trará problemas para as empresas.

A ampliação da licença maternidade para 180 dias trará benefícios para a saúde das mães e dos bebês e, na visão do presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, o Dr. Dioclécio Campos Jr., "Isto é essencial para proporcionar às crianças os estímulos indispensáveis ao desenvolvimento emocional".

Para além dos aspectos da melhora na saúde de mães e bebês que a licença maternidade de 180 dias trará e, em consequência, da redução dos gastos com a saúde pública, temos que destacar a importância da função social da maternidade, levando-se em conta que os filhos são de responsabilidade dos pais, mas também do estado, cabendo a este zelar pelo bem estar e qualidade de vida das(os) futuras(os) cidadãs(ãos).

Como em 88, o argumento de que a ampliação da licença maternidade criará obstáculos para a admissão de mulheres no mercado de trabalho é novamente levantado, mas não devemos nos intimidar com isto, pois nestas últimas décadas, o que de fato ocorreu foi o crescimento da participação das mulheres nos postos de trabalho, tanto que já se fala na feminização do mundo do trabalho. Segundo dados do Dieese de 2008 as mulheres representam 46,6% do mercado de trabalho.

Defendendo os seus interesses, setores do empresariado esperneiam tentando barrar esta conquista para as mulheres, mesmo sabendo que serão beneficiados também, com a nova lei, já que terão incentivos fiscais, ao acatarem a solicitação das futuras mães do acréscimo de mais 2 meses de licença, direito a ser cumprido.

As mulheres querem sim a ampliação da licença maternidade para 180 dias, esperam e desejam que o Presidente Lula sancione a lei. Mais uma vez lembram que não basta conquistar na lei, querem que este direito venha a ser garantido na vida da trabalhadora. Sabem que esta será mais uma vitória da luta das mulheres que possibilitará dias melhores para elas, seus filhos e para a sociedade brasileira.

Recebi por e-mail o artigo acima da minha amiga Lane Costa, da UBM-MT, beijo grande para você!

terça-feira, 2 de setembro de 2008

Selos e agradecimentos

Recebi da Rô, da Na Casa da Vovó os selos abaixo e quero dizer que eu não mereço, mas agradeço:









Quero repassar o primeiro para Cristiane Fetter do Todoyda, o segundo (Leila Diniz) para Jeanne do Consciência e Vida, o terceiro para Fernanda do Educando por aí, o quarto (Blog Consciente) para Lola do Consciência Coletiva, o quinto para Cris do Novo Blog da Cris, o sexto (Sorte) para Sam do A vida como a vida quer, o sétimo ao Adriana do Espírita na Net, o oitavo para o Oscar do By Oscar e o último (Para Você com Carinho) para Rose do Um caminho Cheio de Flores e Outros Valores