Defensoria assegura alfabetização para os presos de Várzea Grande

Uma intervenção da Defensoria Pública de Mato Grosso está possibilitando que 25 presos da Cadeia Pública de Várzea Grande comecem a ser alfabetizados dentro da própria instituição. Eles tinham a sala destinada para esse fim e o material cedido por um convênio com o Sesi. As aulas só não estavam acontecendo porque não havia carteiras para os alunos. A defensora pública-geral Karol Rotini solicitou, em ofício, a cessão das carteiras pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e o secretário da pasta, Ságuas Moraes, atendeu prontamente. As aulas começam na semana que vem. O diretor da cadeia, Rodrigo Lara da Silva, já pensa em ampliar as vagas para 50, mas para isso, precisaria novamente de mais carteiras.

A deficiência foi detectada quando o defensor público Marcos Rondon fazia uma visita à Cadeia Pública de Várzea Grande. O trabalho faz parte das ações do Núcleo Estadual de Ações Penais da Defensoria. Conversando com os presos e com o diretor ele ficou sabendo da necessidade das carteiras e pediu a intervenção da defensora pública-geral. Karol destaca que esse tipo de trabalho mostra o lado social do atendimento da Defensoria, que não se atem apenas à prestação de serviços jurídicos, que por si só já são de extrema importância para a população carente. Marcos Rondon frisa ainda a importância de garantir a alfabetização para os presos, que estavam ociosos na cadeia.

Segundo o diretor da cadeia, a demanda por alfabetização é de aproximadamente 70, dos 298 presos que estão atualmente no local. Rodrigo Silva conta que a sala para as aulas já existia, mas não era usada. Este ano ele providenciou a reforma do espaço, já com intenção de dar início ao projeto. Mas a idéia estava paralisada pela falta das carteiras. Uma das servidoras da cadeia, que é pedagoga, vai ministrar as aulas. Pela parceria com o Sesi, ela vai receber um pagamento por cada aluno que participar do curso. As aulas de alfabetização para adultos que a Defensoria ajudou a viabilizar são uma parceria entre o Sesi, a Superintendência do Sistema Prisional e a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública.

Espaço próprio – O diretor da Cadeia Pública de Várzea Grande também informa que foi ampliada a sala destinada ao atendimento da Defensoria Pública. A sala, com banheiro, foi reformada para dar maior conforto ao defensor, que mantém contato permanentemente com os presos para detectar problemas, necessidades e ainda agilizar processos.

Comentários

Maria Fernanda disse…
Parabéns Defensoria, vcs fizeram o dever de casa muito bem feito, assegurar o direito do cidadão.
Tânia Defensora disse…
Parafraseando dr. Gahyva:"foi o mais simples que nós pudemos" kkkkkkkk... É nosso dever.

Postagens mais visitadas deste blog

MODELO DE RESPOSTA PRELIMINAR DE INFRAÇÃO À LEI MARIA DA PENHA

MODELO DE ROTEIRO DE ABERTURA DE EVENTOS EM GERAL

MODELO DE PETIÇÃO PARA INTERNAÇÃO INVOLUNTÁRIA DE DEPENDENTES QUÍMICOS