quarta-feira, 13 de junho de 2007

O QUE CADA UM É CAPAZ DE DAR...

Uma pequena homenagem aos enamorados:

"Era um casamento pobre. Ela fiava à porta do casebre, pensando em seu marido.
Quem passava, maravilhava-se com a beleza de seus cabelos negros, abundantes como os fios brilhantes. Ele ia todos os dias vender frutas na feira. Sentava-se à sombra de alguma árvore, sustentando entre os dentes, enquanto esperava, seu cachimbo vazio. O dinheiro não chegava para comprar um tiquinho de tabaco. Aproximava-se a data do aniversário de casamento e ela não parava de se perguntar como poderia presentear seu marido. Além, do mais, com que dinheiro? Então uma idéia lhe veio à mente. Só pensar nisso sentiu um calafrio, mas ao decidir-se, todo seu corpo vibrou de contentamento: iria vender os cabelos para comprar-lhe o tabaco. Já imagina seu marido, sentado dando largas baforadas no seu cachimbo. Obteve apenas algumas moedas por seu belos cabelos, mas escolheu cuidadosamente o mais fino tabaco. À tarde, seu marido voltou à casa. Vinha cantando pelo caminho. Trazia nas mãos um pequeno embrulho: eram uns pentes para a sua mulher, que acabara de comprar ao vender seu velho cachimbo... Abraçados, riram até o amanhecer."
Com os olhos do coração, José Carlos de Lucca, pag. 42.

Um comentário:

FIDÉLIS QUEIRÓS disse...

Doutora Tânia, vi alguns trabalhos seu, seu blog é maravilhoso, porém, sugiro, que aumente o acervo de modelos de petições, sei que a defensoria publica tem um excelente trabalho, otimas peças, criminais civeis e outras, e para nos que estamos iniciando no direito como eu, seria uma excelente colaboração, ficarei muito feliz se atender. fidelisitamar@hotmail.com