segunda-feira, 9 de julho de 2007

ARRUMEI MEU FOGÃO E LEVEI UM CHOQUE

Sexta-feira, após o feriado de “corpus cristi”, ligo para uma firma que se diz consertadora de fogão:

_ Alô!

_ Pois não, em que posso ajudá-la?

_ O meu fogão é Dako e está com a chama do forno muito baixa. Está custando a assar. Pode mandar um técnico para fazer uma limpeza, eu acho que é sujeira...

_ Pois, não. Pode ser hoje à tarde?

Não acredito tão rápido assim!

_ Sim, sim, pode ser depois do almoço.

_ Duas horas o técnico passa no endereço que a senhora forneceu.

_ Se for só a limpeza fica quanto?

_ Só a limpeza fica sessenta Reais.

_ Manda a nota fiscal, por favor.

Almocei na casa da minha mãe, pois, cedi minha secretária durante todo o mês de Junho para cuidar dela (ela tem mal de Alzheimer). Quando acabo de almoçar, toca o meu celular:

_ Amor seu pai e a mulher dele acabam de chegar para passar o resto do feriado conosco. Você vai demorar? Ah o cara do fogão está terminando o serviço, perguntou se você quer que ele arrume o automático.

Eu ainda não havia assimilado a primeira informação (meu pai e a mulher dele de mala e cuia para passar o resto do feriadão...):

_ Ah, sim! Peça para ele arrumar, o automático não está funcionando muito bem. Tem hora acende e tem hora não... aaatchim........ Essa gripe me pegou de jeito...

Voltei para casa, um abraço no meu pai, outro na mulher dele:

_Que bom que vocês vieram mesmo sem avisar...

_ O fogão já está arrumado? Quero tomar um cafezinho...

_ Está sim papai, pode deixar que eu faço...

_ Mamaaaaaaaãeeeeee, terminei.....

_ Espera um pouco, vou limpar o bumbum do Téo e já volto para coar o café.

_ Mamãe eu fiz coco na calça.

_ Amor, essa é a terceira vez que ele faz na cueca. Será virose ou algo que ele comeu?

_ Não sei. Vamos observar.

_ Deixa eu passar o café.

_ Não, pode deixa que eu passo dona Maria.

_ A senhora pode acertar comigo agora?

_ Quanto ficou?

_ Ficou setenta Reais com o conserto do automático.

_ O senhor trouxe a nota que eu pedi?

_ Não.

_ O senhor pode me dar um recibo?

_ Eu não tenho, mas se a senhora preencher eu assino.

_ Deixa eu procurar...

_ Mamaaaaaaaãeeeeee... fiz coco na cueca...

_ De novo? Espera um pouquinho que eu já vou te limpar...

_ E o meu café?

_ Só um pouquinho papai...

_ Amor já pagou o técnico?

_ Estou procurando um bloco de recibo para ele assinar, mas não estou encontrando...

_ Mamaaaaaaaãeeeeee...

_ Olha está aqui o dinheiro. A moça que me atendeu ao telefone, disse que o senhor mora aqui na Várzea Grande, então o senhor pode trazer o recibo depois?

_ Sim, pode deixar...

_ Obrigada!

_ Tânia eu posso colocar a água para esquentar?

_ Deixa que eu coloco. Amor troca o Téo, por favor.

_ Estou indo.

_ aaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

_ O que foi?

_ O fogão está dando choque...

_ Mas não acabou de arrumar?

_ O defeito era no forno e não no acendedor automático dona Maria.

_ Chama o homem de novo.

_ Vou ter que ligar na loja, eu não tenho o telefone do técnico.

Algum tempo depois o café ficou pronto e eu resolvi deitar um pouco, pois, estava com dor no corpo por causa da gripe.

_ Tânia você pode nos levar lá no centro para comprar um tênis para o seu pai?

_ Posso sim...

_ Mamaaaaaaaãeeeeee...

_ Fez coco de novo?

_ Na cueca.

_ Dona Maria espera um pouquinho deixa só eu lavar a cueca do Téo.

Após lavar mais uma cueca, fomos ao comércio procurar tênis para o meu pai. O resto da tarde de sexta-feira fizemos compras. No sábado: almoço em família, rodoviária para comprar passagem de volta. No domingo meu irmão os levou para passear e os trouxe para almoçar com os netos. À noite: rodoviária de novo.

_ Amor o fogão segue dando choque, mesmo calçado. Tive que tirá-lo da tomada.

A semana inteira correu sem que eu tivesse tempo de ligar para a loja. Mas na semana seguinte liguei:

_ Alô! E da loja que conserta fogão?

_ É sim.

_ Olha só: meu nome é Tânia, um de seus técnicos esteve aqui para arrumar o forno e acabou desconsertando o automático do fogão. Poderia mandá-lo de volta aqui?

_ Só um minuto deixa eu localizar o pedido. Ah, sim. Achei. Eu vou agendar e ligo lhe avisando.

Alguns dias se passaram.

_ Alô, meu nome é Tânia, o seu Edmilson esteve aqui e não conseguiu arrumar o automático e esta é a segunda vez que eu ligo. Pode mandá-lo de volta aqui?

_ Ah sim, eu vou olhar a agenda de retornos e ligo para senhora.

Quase final do mês e nada. Liguei de novo.

_ Alô! Conserto de fogão...

_ Pode chamar o gerente, por favor.

_ Alô!

_ Essa é a terceira vez que eu ligo, não vou ligar mais. O seu Edmilson esteve aqui, tentou, mas não conseguiu arrumar o automático do fogão, está dando choque.

_ A senhora pode tirá-lo da tomada...

_ Há mais de três semanas ele está fora da tomada, aliás, se eu não tivesse tirado da tomada não poderia estar usando o fogão. Olha só eu não estou reclamando do serviço prestado. O forno ficou ótimo, acontece que ele se ofereceu para arrumar o automático, que funcionava malemá, e agora só funciona a base de choque... por favor mande ele aqui está bem?

_ Eu vou agendar esse retorno e te ligo...

Dia 8 de Julho fez um mês que o meu fogão começou a dar choque. Não encontrei tempo ainda para ir ao PROCON. Mas com certeza irei, depois que a minha secretária voltar de férias. Ela pediu 10 dias, depois dos 30 que passou cuidando de minha mãe.

4 comentários:

Osc@r Luiz disse...

Saco mesmo esse fogão dando choque até hoje... Pelo menos agora o marceneiro de 6 meses atrás veio...
Olha, sha dona muié, aproveita que não tá fazendo nada mesmo, e passa no meu no meu blog e pegue o selinho de "Blog Ativista", que eu estou te oferecendo apenas aqui. Nesse título não é preciso postar os indicados, basta comunicá-los por e-mail ou comentário, como estou fazendo. No meu blog estão o selo e as regras.
No mais, um beijo!

Eneida disse...

Gostei demais da crônica! E me lembrei de um dia, há muitos anos, em São Paulo... Nossa! Quem sabe acabo escrevend uma crônica, também? Pena que não guardei uma cópia da carta que escrevi a uma amiga, então, narrando a epopéia! Espero que escreva mais crônicas!
Beijos!

Maria Fernanda disse...

Recentimente passei por uma situação parecida com a sua,tive que mudar de gráfica para conseguir rodar meus panfletos.
beijos

Tânia Defensora disse...

Obrigado Oscar pela indicação ao "Blog Ativista". É um selo muito importante para mim. Com certeza passarei lá e pegarei. Fico muito feliz quando você me visita (aqui)!
Beijo

Oi Eneida! Que bom que vc gostou da "crônica". É tudo verdade, aconteceu da forma como está escrito. Tente lembrar da carta e reescreva. Quanto as crônicas: estou pensando em publicar as que que escrevi quando visitava o presídio feminino de Cuiabá.

Olá Fernanda! É um absurdo a forma como o consumidor é tratado neste País. A estória dos panfletos é outro exemplo desse "pouco caso" que algumas empresas fazem em relação aos seus clientes.