quarta-feira, 10 de outubro de 2007

Mais um caso resolvido através de Mediação

Uma mulher que estava sendo vítima de violência moral pela Internet, procurou a Defensoria Pública de Várzea Grande para orientar-se a respeito de propositura de ação cível e criminal contra o ex namorado.

A vítima manteve relacionamento amoroso com um rapaz durante alguns anos. Após desentendimentos, emprestou seu veículo para ele, que o devolveu com defeito. Diante disso, a vítima suspeitou do ex namorado. As brigas continuaram e o ex namorado, segundo a vítima, passou a persegui-la e ofendê-la através de sua página no Orkut.

Tão logo a vítima expôs a situação, os estagiários Luciano Peterson e Nataly concluíram que se tratava de um caso de violência doméstica, amparada pela Lei 11.340/06, entretanto, sugeriram o instituto da mediação para resolver o impasse e evitar pelo menos mais duas ações judiciais.

O ex casal compareceu à Defensoria e os estagiários, sob a coordenação da dra. Juliana de Lucca Crudo Philipi, conseguiram mediar o caso.

O rapaz assinou o termo de mediação se responsabilizando pelo pagamento de 66% do valor do conserto do automóvel e se comprometendo em não mais importunar a vítima.

Na Defensoria Pública de Várzea Grande foi implantado o primeiro núcleo de Mediação no Estado de Mato Grosso e já funciona há mais de um mês trazendo bons resultados a quem procura uma solução mais rápida para resolver conflitos.

Informações: 3682-0377

4 comentários:

Maria Fernanda disse...

Seu blog está de parabéns...ótimos posts.... bjz

Tânia Defensora disse...

Oi Fê!
Obrigada!
Beijão

Anônimo disse...

queria saber o seguinte tive uma briga com o meu namorado a uns três meses aonde apolicia esteve presente assinei um boletim de ocorrência fui chamada na delegacia as testemunhas também só que não queria continuar com essa acusação e o caso ainda não teve uma audiência marcada sera que daria para mim recorrer a esse núcleo de mediação.

Tânia Defensora disse...

Olá!
Esse núcleo de mediação foi fechado, mas nada impede que você tente uma composição com ele caso não tenha havido lesão corporal. Quando há somente ameaça você pode renunciar ao direito de representá-lo, assim o processo é arquivado.