terça-feira, 9 de outubro de 2007

Reforma de Interiores: mudando a si mesmo

Achei esse texto muito interessante:

Hoje vou falar sobre algo que ajudou a mudar um pouco a minha forma de viver.
Quando se fala em mudanças, muitos de nós, levamos as mãos à cabeça e logo pensamos: quanta trabalheira!
Mas mudar pode ser mais fácil do que se imagina.
A mudança exterior é bem menos complicada. Numa casa, por exemplo, muda-se a cor da tinta, faz-se um grafiato ou uma textura diferente, coloca-se uma porta de outro material ou uma janela maior e pronto!
Nas pessoas a transformação funciona de maneira parecida: troca-se a cor do cabelo, adota-se uma dieta alimentar mais saudável se quiser perder peso. Para ganhar músculos ou “secar” matricula-se numa academia, adere-se a um programa de exercícios físicos e assim por diante.
A reforma interior é a mais difícil.
Numa casa: móveis que foram feitos sob medida. Para trocar o piso tem que quebrar o antigo e nos banheiros ainda tem os azulejos e as louças, sem falar da parte hidráulica e elétrica.
Nas pessoas a transformação moral ou reforma íntima depende de uma persistente auto-avaliação e vigília.
Como fazer isso sem adotar um “programa” ou uma “dieta”?
Quem quer emagrecer sabe que precisa abrir mão de alguns alimentos inapropriados para perder peso ou praticar atividades físicas para eliminar calorias, do contrário não atingirá seu objetivo.
Quando ouvi pela primeira vez sobre os doze passos, achei que era coisa para bêbado. Vencido esse preconceito, adquiri algumas apostilas e comecei a ler sobre o assunto e aos poucos fui percebendo que a “tonta” era eu.
Quem andava cambaleando para lá e para cá, era eu. Eu não conseguia me manter “sóbria” ou melhor, serena.
Com um programa de doze passos passei a olhar para dentro de mim, me aceitei e estou tentando me corrigir.
O programa me deu a direção para mudar. Passei a abster-me de certos comportamentos inadequados para a minha transformação moral. Descobri que a ansiedade, a intolerância, a impaciência e o nervosismo não são genéticos, eu os adquiri. Daí para frente eu pude melhorar essas tendências que, hoje, eu reputo defeitos gravíssimos de caráter.
Recomendo a leitura dos doze passos para quem deseja e não consegue fazer sua reforma íntima.


Autoria: Lúcida

2 comentários:

Maria Fernanda disse...

Quando ouvi falar dos 12 passos tb achei que era só para bêbados.... Depois de mais de um ano dentro de um programa de doze passos só tenho a agradecer primeiramente a Deus e depois ao grupo.
bjs

Tânia Defensora disse...

Só um poder superior a nós mesmos nos leva a acreditar que somos impotentes perante pessoas. Num programa de 12 passos a gente aprende a ser mais humilde.
Obrigada Fernanda!