terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Abuso contra criança

Oportunamente aproveito a "deixa" da blogagem coletiva contra a pedofilia e posto matéria que virou manchete de hoje do jornal a Gazeta, de Mato Grosso, sobre abuso contra criança e adolescente:


A cada dois dias uma criança ou adolescente é vítima de violência sexual em Cuiabá, consumada ou não. Mas isso é apenas uma pequena amostra da realidade. Na maioria dos casos a família se cala. Cerca de 90% dos casos registrados nas delegacias, conselhos tutelares ou diretamente na Justiça os agressores são parentes próximos da criança ou amigos da família. Diferente de um adulto que pode se defender, pequenos de 6 e 7 anos se sentem culpados pela própria violência que sofrem e não contam. Quando falam, mães omissas optam pelo silêncio por não perder o provedor do lar ou sentem vergonha do ocorrido. Casos como os de violência sexual, as vítimas só podem contar com as denúncias de professores, médicos, vizinhos, amigos ou outros parentes que desconfiarem desse tipo de crime.

Em 2008, os seis conselhos tutelares de Cuiabá (Pedra 90, CPA, Santa Isabel, Coxipó, Centro e Planalto) registraram 87 casos de violência sexual contra crianças e adolescentes em Cuiabá. Somente a Delegacia de Defesa dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes (Deddica) registrou 49 boletins de ocorrências envolvendo crimes sexuais como estupros, atos obscenos, sedução, atentados violento ao pudor, entre outros. Fora isso, famílias com condições financeiras favoráveis entram com processo diretamente na Justiça contra o agressor. Nem sempre a mesma denúncia registrada no conselho vai parar na delegacia ou na Justiça ou vice-versa.

Mas o problema para uma punição ágil desse tipo de crime esbarra na lentidão da Justiça. Os crimes sexuais contra crianças e adolescentes são distribuídos nas cinco varas criminais de Cuiabá. Para o promotor da Infância e Juventude, José Antônio Borges, é fundamental criar a estrutura de promotoria e vara especializada em crimes contra os menores de 18 anos. As meninas vítimas de violência ainda são amparadas pela Lei Maria da Penha, que prevê pena mais rigorosa, e há duas varas especializadas na Capital, mas os garotos não têm a mesma atenção. "Essa questão de gênero só ampara uma parte das vítimas. É necessário dar celeridade para a punição de violências". alegou.

Fonte: www.gazetadigital.com.br

8 comentários:

Maria Fernanda disse...

Maravilhosa postagem Tânia, eu dei aula no ano passado para uma criança que sofria abuso quase todos os dias, foi uma barra muito grande, não sabiamos com agir... me sentia com as mãos atadas. Os professores não são preparados para lidar com essa problemática...
bjs

Tânia Defensora disse...

Oi Fernanda!
O assunto precisa ser discutido amplamente até para isso: saber o que fazer.
Um abraço

Cristiane Fetter disse...

É o que sempre digo, o problema é mais profundo, tratar a efeito sem ter solução para a causa não adianta.
E a Maria FErnanda disse uma coisa, deve ser muito difícil trabalhar com crianças que sofreram esse tipo de abuso.
Força meninas.

Wilian Mendes disse...

Tambem participo da blogagem coletiva.
Parabens pela sua iniciativa

Em defesa da inocência
minha opinião

Eu costumo dizer e as vezes até me dói o coração por sentir tamanho sentimento – que os adeptos, simpatizantes ou praticantes da pedofilia – são uns MALDITOS. Sim. MALDITOS ABUTRES DEVORADORES DE ANJOS. Estão proliferando cada vez mais, sobrevoando nossas casas, ganhando asas para o mundo com apetite voraz atras de uma vítima inocente - que são nossos filhos, que são nossos ANJOS.

Recentemente troquei idéia com uma produtora lá do Rio de Janeiro que também é uma ativista e está fazendo um trabalho sobre EROTIZAÇÃO PRECOCE – inclusive irá fazer um filme a respeito – que uma coisa leva a outra. A EROTIZAÇÃO INFANTIL – amplamente divulgada em nossos meios de comunicação – mascarada através de propagandas, programas de televisão, música de má qualidade com danças sensuais – aumenta o campo de atuação para o ataque dos Abutres Malditos.

Infelizmente, não podemos proibir o acesso aos meios – mas podemos sim.. e eu faço. ORIENTAR, ORIENTAR, ORIENTAR E ORIENTAR. Sempre. .

Mostrar o que é errado. Falar sobre o assunto e os perigos que o acercam. - Filha ..essa música não presta. Filho, esse programa não agrega..é mentira...cuidado com isso na internet..cuidado com aquilo na rua..e assim por diante. Funciona. Faço isso desde que meu filho tinha 03 anos. Hoje ele está com 16 anos.. Tenho 03 filhos.

Se nos rendermos, fizermos vista grossa..achar que é normal e pensar que conosco e com nossos filhos não irá acontecer..o mínimo que posso pedir: CUIDADO. A continuar assim, sendo coniventes, não termos tempo para o momento atual pois nossa vida é corrida..Digo novamente..CUIDADO.

O TEMPO é rápido e ETERNO. O nosso tempo é CURTO e FINITO. Não podemos dar tréguas, não podemos pensar que não estamos sujeitos aos ataques. Se permitirmos, seremos dominados e se de fato acontecer, penso.. não sei quando – se num futuro distante ou próximo, seremos uma sociedade, desculpe o termo; bestilizada pois permitimos o fim da infância e com certeza e ainda no meu entendimento..perderá-se o sentido da VIDA que nos foi dada GRATUITAMENTE e daquilo que o CRIADOR nos deixou: A pureza e a inocência da infância

"Se morre a infância, morre o homem".

Não vamos perder tempo.

Digamos NÃO a erotização precoce.

Digamos NÃO a pedofilia.

Wilian Mendes
http://www.genialkids.com/
http://www.criancagenial.blogspot.com/ http://www.desempregadosimdesocupadonao.blogspot.com/

Tânia Defensora disse...

Oi Cristiane!
Concordo com vc, a gente deve tratar a causa e sobretudo prevenir.
Obrigada pela visita.

Cristiane Fetter disse...

Tânia minha filha, você é esposa do Oscar (By Osc@r)?
Jura?
Só podia ser.
Êta mundo pequeno.
Beijocas

Tânia Defensora disse...

Oi Cris!
Sabia não?
Pois é. Nós "vive" ajojado.
Beijinho

Cristiane Fetter disse...

Só podia ser.
Cara legal + mulher muito legal= Casal 20 (cretino isso).
Sabia que eu já conhecia o seu maridex?
O homizinho engraçado ein?
Beijocas