terça-feira, 13 de maio de 2008

1ª Conferência Estadual “Direitos Humanos e Políticas Públicas: O caminho para a cidadania de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais”


Nesta semana – nos dias 15, 16 e 17/05 – cerca de 300 pessoas, representantes de entidades governamentais e não governamentais, estarão reunidas em Cuiabá, no auditório do Centro Cultural da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) definindo estratégias que consolidem e ampliem as ações nas áreas de segurança pública, educação, saúde, cultura, emprego, trabalho e renda, legislação e justiça, visando a garantia dos direitos das populações homossexuais, nas esferas municipais, estadual e federal.

A 1ª Conferência Estadual “Direitos Humanos e Políticas Públicas: O caminho para a cidadania de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais” foi convocada pelo Governo do Estado, atendendo a determinação do Governo Federal para definir ações voltadas para a população GLBT.

O encontro, inédito, é o resultado de importantes iniciativas anteriores, no âmbito da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH/PR), como a criação do Programa Brasil sem Homofobia, em 2004, que viabilizou a implantação de Centros de Referência em Direitos Humanos e Combate à Homofobia em todas as unidades da federação, além de financiar Núcleos de Pesquisa e Promoção da Cidadania GLBT e projetos de capacitação em Direitos Humanos.

Fonte: www.diariodecuiaba.com.br

4 comentários:

Lusófona disse...

O mundo está a passar por grandes transformações.... em todos os sentidos. É preciso nos preparar e respeitar as diferenças.

Maria Fernanda disse...

Respeito é direito de todos.
bjs

Lola disse...

Olá, Tânia,
Passei para retribuir suas ótimas visitas!
Não sei se entendo bem algumas leis, mas, às vezes entro em contradição com elas..."só um exemplo": Dia da "conscientização negra". Se brigamos para garantir que todos somos iguais, não tem por quê o dia de um ou de outro...
Os homossexuais são pessoas iguais a nós, por que garantia dos direitos das populações homossexuais, nas esferas municipais, estadual e federal? Olhando por este lado, não vejo nenhum motivo para garantias. Também não sou a favor de cotas para negros ou brancos, acho isso um verdadeira incentivo a descriminação, visto que todos somos iguais. No caso de pessoas de renda baixa eu até entendo, quanto ao resto, "somos iguais e temos os mesmos direitos".
Beijos.

Lola disse...

Corrigindo: "discriminação racial".