sexta-feira, 31 de julho de 2009

São Paulo está sendo processado por não cumprir a Lei Maria da Penha


Por não aplicar o que diz a Lei Maria da Penha, o Estado deve indenizar mulher vítima de violência. É o que diz a Defensoria Pública do estado de São Paulo em Ação de Indenização proposta na última terça-feira (7/7) contra o estado de São Paulo. A Defensoria defende que o agressor, um policial, deveria ter tido suspenso o porte de sua arma, ter sido afastado das atividades ou colocado em tratamento psiquiátrico, o que não ocorreu.

A indenização foi pedida em favor de uma empregada doméstica vítima de um disparo de arma de fogo de seu ex-namorado. Para a Defensoria, a violência aconteceu porque as medidas protetivas previstas na Lei Maria de Penha não foram aplicadas pelas autoridades públicas em favor da mulher, que mora em Cachoeira Paulista, no Vale do Paraíba. A agressão a deixou sete dias hospitalizada e quatro meses sem andar.

A doméstica namorou durante seis meses com um policial militar. Depois de romper com o namorado, foi à Delegacia por diversas vezes para registrar Boletins de Ocorrência em razão de agressões e ameaças que diz ter sofrido. Um único inquérito policial aberto em função das queixas acabou arquivado. Segundo consta da ação, após o inquérito ter sido arquivado, o ex-namorado atirou contra a doméstica e outras duas pessoas, e depois matou sua ex-esposa. Ele responde a um inquérito policial e está preso preventivamente.

O defensor público Wagner Giron de La Torre argumenta que se os instrumentos de proteção previstos na Lei Maria da Penha, como a suspensão de posse de arma, o afastamento do policial militar de suas atividades ou a inserção dele em tratamento psiquiátrico, tivessem sido utilizados, talvez o crime não houvesse acontecido.

Para o defensor, a responsabilidade do Estado também está no fato de não oferecer capacitação adequada ao militar e ainda não tê-lo afastado de suas atividades durante apuração das denúncias de ameaças, permitindo inclusive o uso de sua arma de policial.

O defensor pede que o Estado seja condenado a indenizar a doméstica em trezentos salários mínimos, no valor vigente na ocasião do fato, acrescido de juros e correção monetária, além de uma pensão mensal vitalícia de um salário mínimo. Também pede que o policial militar acusado seja impedido de retornar ou permanecer em qualquer cidade onde a ex-namorada vier a morar. Com informações da Assessoria de Imprensa da Defensoria Pública do estado de São Paulo.

4 comentários:

Amynon disse...

Tânia amiga , vc sumiu, realmente , a lei tem que ser cumprida, é triste ver uma esposa apanhar na frente dos filhos .
meu email é diegoborges_itz@yahoo.com.br

Um abraço ! :)

Cristiane A. Fetter disse...

Tem mais é que processar mesmo, se não a lei cai na banalidade.
bjks

Ong DCM disse...

OLA!TANIA
ADOREI O SEU BLOG! TANTO , QUE VOCÊS ESTÁ COMO FAVORITA NA NOSSA PÁGINA!
SOMOS A ONG DCM - DEFESA E CIDADANIA DA MULHER, E PEÇO-LHE QUE DE UMA VISITADINHA
www.ongdcm.blogspot.com
LÁ VOCÊ ENCONTRA NOTICIAS SOBRE O UNIVERSO FEMININO.
AH! E NÃO ESQUEÇA DE DEIXAR UM RECADINHO CONTANDO O QUE VOCÊ ACHOU DO NOSSO BLOG, TAH?
ANA SILVIA

Rose disse...

Saudades, minha linda.
Corre corre danado nas férias, já viu, não é?Crianças em casa.
Passei e deixo mil beijos, querida.