terça-feira, 17 de abril de 2012

Albergados recebem orientação sobre hanseníase

A notícia abaixo é sobre um projeto que tem acontecido aos finais de semana na Casa do Albergado, em minha cidade, então, aproveitei a oportunidade para libertar 10 livros dos mais variados temas para compor a biblioteca do estabelecimento.


Uma iniciativa da REPARE, Rede Permanente de Assistência ao Recluso e ao Egresso, uma organização não governamental cujo objetivo é reintegrar os apenados e da Defensoria Pública tem levado informações sobre diversos assuntos aos apenados que cumprem pena privativa de liberdade na Casa do Albergado em Várzea Grande.

No último final de semana a Farmacêutica-Bioquímica Camila Trentin Zandona falou sobre hanseníase. O Brasil é o segundo País no mundo em número de casos da doença, só perdendo para a Índia, provavelmente em razão da superpopulação e condições sanitárias precárias deste local.

Indagada se a superlotação dos presídios seria o motivo para que o Brasil fosse o segundo colocado em número de casos no mundo, Camila explicou que não. Entende que a realidade de Mato Grosso deva ser semelhante ao restante do País, pois, muitas unidades prisionais do Estado ainda não estão preparadas e com equipes treinadas para o diagnóstico da hanseníase.

Nos presídios a equipe de saúde responsável pelo diagnóstico é da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos.

Em Várzea Grande, por exemplo, só há estabelecimento destinado à presos provisórios, portanto, estes custodiados devem ser levados à unidade de saúde mais próxima, ou seja, Centro de Saúde do Capão Grande. A tarefa de transportar os presos para fazer o exame é da direção da cadeia.

Se não houver transporte ou por questão de segurança a direção do estabelecimento precisa encontrar uma forma de levar uma equipe até o local para fazer os diagnósticos.

 Mato Grosso apresenta 2500 novos casos por ano, destes Várzea Grande conta com 250 novos casos no período. Números preocupantes já que boa parte da população não sabe como identificar a enfermidade.

Manchas esbranquiças ou avermelhadas, além da falta de sensibilidade na pele são os primeiros sintomas. Às vezes a pessoa pode não apresentar manchas, e sim dores nos nervos ou ainda leve dormência ou formigamento.

O risco de contaminação se dá através de espirro, tosse e pela fala, além do constante contato com o doente.

Um albergado que contraiu a doença enquanto estava no regime fechado só foi começar o tratamento quando conseguiu a progressão. Ao sair e procurar assistência médica, apresentou efeitos colaterais com o medicamento: além das dores nos nervos das mãos e dos pés, ficava muito fraco devido ao quadro de ânsia.

Assim, a Defensoria Pública fez o pedido de suspensão do cumprimento da pena até que o albergado se restabelecesse para voltar a pernoitar no albergue.

O perigo de contágio da hanseníase acaba no momento em que o portador começa o tratamento, por isso é importante que os estabelecimentos prisionais abram as portas para esse tipo de informação, além de diagnosticar a doença, evitando com isso novos casos.

É sempre bom alertar que os apenados recebem visitas e que estas podem disseminar a doença, já que são livres e estão em contato diário com outras pessoas.

2 comentários:

Bel Rech disse...

É uma forma de que eles possam ter informações e possam ser informados as causas, sintomas etc...
Muito bacana esse serviço, eu não tinha ideia de que se fazia um trabalho assim.Uma grande iniciativa.
Paz e bem

Luma Rosa disse...

A hanseníase está voltando... Lembro de ter visto portadores de hanseníase quando era criança; eles viviam isolados e em grupo.
Tânia, obrigada por participar do BookCrossing Blogueiro. Bonito o trabalho social que realizam! Precisamos nos desapegar e aprender cada vez mais a dividir aquilo que para nós já foi útil, ainda mais os livros que carregam informações e palavras que distraem o pensamento. O desenvolvimento de um povo está relacionado com a sua capacidade de pensar e a leitura é aliada nesse processo. Vamos libertar mais livros sempre para ajudar a circular cultura!! Beijus,