quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Maranhão tem Raposa


Recentemente estive com a minha família a passeio em São Luis, no Maranhão. Um Estado hospitaleiro, muito pobre (pior renda per capita entre as unidades da federação, ocupa o 26.º lugar de Índice de Desenvolvimento Humano), mas com inúmeros atrativos para turistas.

O animal raposa é caçador oportunista e apanha sua presa viva. A caminho do Município de Raposa, a fim de conhecer a baía de São Marcos, onde fica localizada a Ilha Curupu, reduto de lazer privado da família Sarney, a guia nos contou uma historinha: “depois de uma grande chuva, Roseana ligou para José Sarney para avisar que Maranhão estava debaixo d´água, e então o Senador perguntou: qual parte, a minha ou a sua? ”  Complementou dizendo que qualquer problema de saúde da primeira família é tratado pelo Hospital Sírio Libanês.

Além de Raposa, São José do Ribamar, onde fica a Praia do Araçagy, aquela cuja maré que engoliu 100 carros no primeiro dia do ano, há ainda Alcântara, cidade histórica com várias ruínas que merece ser visitada.

Na virada do ano o Governo do Estado patrocinou show para a população com Alcione, Latino e a dupla César Menotti e Fabiano, além de um grande espetáculo pirotécnico.

Num final de tarde por falta de taxi, tomamos ônibus para voltar ao hotel. Dois dias depois vimos à notícia da morte da menina atingida pelo fogo ateado num coletivo.

Segundo informações o evento foi uma reação aos maus tratos sofridos pelos detentos de Pedrinhas por parte dos agentes estatais.  Fato é que desde o dia 23 de Dezembro a imprensa nacional vinha noticiando que mulheres e irmãs de presos estavam sendo estupradas sob as ordens dos líderes das facções criminosas e somente hoje o Conselho Nacional dos Direitos da Mulher emitiu nota a respeito do assunto.

Só em 2013 morreram 59 presos em Pedrinhas. Vivem no complexo cerca de 2.500 homens, em um espaço projetado para 1.700. Metade dessa população ainda não foi julgada. Segundo o juiz do CNJ, Douglas de Melo Martins, boa parte é réu primário e acusado de crimes mais brandos, que poderiam responder o processo fora do presídio. Detidos por não pagar pensão ou por porte ilegal de arma estão junto de presos mais perigosos.

No final de 2012 presos das cadeias de Santa Catarina aterrorizaram a grande Florianópolis agindo da mesma forma que os do Maranhão.

Os presídios não podem nos governar. O Estado precisa estar presente nestes espaços oferecendo o mínimo necessário para que as organizações criminosas não assumam o comando desses estabelecimentos.

Maranhão foi o segundo Estado a conferir o maior número de votos a eleição da atual presidente, portanto, intervenção federal é algo fora de cogitação. Torcemos para que fatos como o ocorrido em São Luís não se repitam em outros locais.

Tânia Regina de Matos é Defensora Pública em Mato Grosso

4 comentários:

Bia Jubiart disse...

Eu diria " Têm Raposas" a perder de vista, não só no MA, no país...
Moro a 700 e poucos km desta capital, o mais sofrível neste contexto todo é a educação no interior do Maranhão, acredito que a ignorância e o voto cabresto que ainda (infelizmente) existe no Norte e Nordeste é que fortalece família Sarney e os Barbalhos no Pará.
Por sermos mais próximos, sabemos de histórias absurdas... Enfim, a lei exista linda e maravilhosa, porém não existe uma fiscalização p/ se faze-la cumpri-la. A justiça ainda é lenta...

Que tenhamos um 2014 com menos injustiça dos homens....


Luma Rosa disse...

Oi, Tânia!
Dizem que fazer piada de si mesmo é prova de inteligencia. Será? A piada que o Guia contou prova como o povo é burro. Há quanto tempo estão votando para eleger essa família. Hoje em casa, estávamos lembrando do "Trem da Alegria" e explicando para os mais jovens do que se tratava... Só esse ocorrido aconteceu há cerca de 30 anos e o povo continua votando... Qual a mágica?
Se o nosso sistema de voto fosse tão bom e novidadeiro para o mundo, também eles não o teriam adotado? Acho que no Maranhão existe apenas eleições de fachada.
Triste saber que no último encontro que autoridades se reuniram para tratar da violência no Maranhão e que a Roseana culpou a "riqueza", nos bastidores estava Lullinha fazendo conchavos com os Capibaribe para tornar viável a eleição de Sarney, já que Roseana continuará até o fim do mandato para se eleger Senadora. Um rodízio por assim dizer... tem jeito não!
Boa semana!!
Beijus,

Fabio Moreira disse...

Olá Colega Tania, sou leitor do seu blog, e também já lancei no meu blog (advogadofabiomoreira.blogspot.com.br) um link do seu trabalho. Fiquei feliz em saber que você esteve aqui em nossa capital. Espero que tenha gostado. Olha amiga, quero comprar uma edição do seu livro.. como devo fazer. Peço que nos contacte pelo nosso email.
fmoreira@elo.com.br
Abraços!!!

Tânia Defensora disse...

Olá Fábio!
Vou visitar sua página.
Obrigada por estar em contato!