sábado, 23 de agosto de 2014

DESTINO: CUBA - O QUE VOCÊ PRECISA SABER

Estive no mês passado em Cuba para prestigiar a formatura de Ana Gabriela, filha da minha prima Lúcia. A mais nova médica da família estudou no País de Fidel e como uma boa viajante não poderia perder essa oportunidade!

Sempre tive curiosidade em conhecer, mas não tinha um bom motivo, aí surgiu o convite e pronto! Era o que bastava para arrumar as malas.

Fomos eu e meu marido pela Copa Airlines. Há passagens mais baratas pela CUBANA mas as aeronaves são antigas e segundo quem viajou por ela, os passageiros embarcam pela porta de trás do avião o que leva a pensar que o mesmo já foi utilizado para transporte de carga. É administrada pelo governo de Cuba e pode cancelar seus voos quando necessário. Aconteceu com uma mineira que estava na festa de formatura.

Primeiramente o visto deve ser buscado pelo consulado do País em São Paulo. Deixei essa providência à cargo da agência de viagem. Para o embarque no Aeroporto Marechal Rondon já me pediram o visto. 

Fizemos uma conexão em São Paulo e outra no Panamá. Se você pedir o desdobramento da passagem, na volta dá para você ficar uns dias na Cidade do Panamá que vale muito a pena, pois, o Canal é a maior rota de navios do mundo. Porque na volta? Para você fazer comprinhas.

Ficamos no Copacabana, um hotel antigo cuja manutenção aparentemente não era muito frequente, pois, algumas  paredes próximas às piscinas estavam descascando. Havia um forte cheiro de mofo no quarto. 

Localizado próximo ao mar e longe do centro de Havana, os pontos positivos dessa hospedaria é dispor de uma piscina natural feita por uma represa de concreto, onde os hóspedes podem tomar banho em águas claras e mornas, além do bus tour passar em frente do local.O café da manhã não tinha nada de especial, mas havia um funcionário para fazer omelete e fritar ovos na hora. Manteiga ou margarina em Cuba é artigo de luxo e o pão é diferente do nosso (acho que é feito com pouco fermento).

Você pode utilizar-se de táxis, máquinas e ônibus para se locomover. As máquinas são táxis coletivos que param nas principais avenidas. Do centro de Havana até o hotel o táxi privado custava em torno de 5 CUC. O peso cubano vale 24 vezes menos que o CUC  (que se pronuncia "ci" "iu" "ci") que é a moeda local criada para atender os turistas.

Leve dólares americanos ou euros para trocar no aeroporto e reserve 25 CUC para pagar a taxa aeroportuária, que é cobrada por pessoa. Ninguém nos avisou sobre isso e quase ficamos sem dinheiro para efetuar esse pagamento na volta. Mil dólares americanos foram trocados por 870 CUC na casa de câmbio do aeroporto. Passamos seis dias e esse valor foi suficiente para os passeios e algumas refeições nos lugares onde não se aceitavam cartões de crédito e débito. 

Los Nardos é um dos melhores restaurantes de Cuba e aceita cartões. Vá cedo, do contrário enfrentará fila e de pé. Autoridades locais passam na sua frente porque têm prioridade. Acessibilidade zero, tem que subir escadas. Cerdo, pollo (carne de porco e frango) e frutos do mar são pratos comuns na ilha e posso afirmar que pelo menos os turistas comem bem. A carne vermelha, chamada de res é mais difícil e quando se encontra não é saborosa como a nossa.

Estivemos em Varadero que da mesma forma que em Havana, o valor do bus tur foi de 5 CUC para passear pelos pontos turísticos.

No balneário quase todos os hotéis são sistema all inclusive, mas existe algumas pousadas ou casas de família que oferecem só o café da manhã, entretanto, é muito difícil conseguir reservar através de sites especializados no assunto.

Resumindo Havana e Varadero são lugares lindos, limpos e extremamente seguros. Valem a pena ser conhecidos, todavia, para quem viaja muito dentro do Brasil vai estranhar. Em geral as pessoas não trabalham com muita alegria como aqui. Os nativos não são muito simpáticos, salvo aqueles que queiram lhe aplicar algum golpe: vão falar da seleção brasileira, vão querer te levar para conhecer a casa onde Fidel morou, ou onde funcionou o Buena Vista Social Club, agradeça e caia fora. 

Em Varadero os funcionários são mais amáveis, talvez em razão das altas gorjetas doadas pelos russos, sim, russos, eles tomaram conta do lugar. Ambas cidades apresentam temperaturas altas (estivemos em julho que é baixa temporada, segundo nos informaram é inverno porque chove muito). Presenciamos pouca chuva. Leve muita roupa de verão, você irá transpirar muito!!!

Voltarei para conhecer Cayo Largo e visitar alguns lugares que estavam em obras.

Um comentário:

Luma Rosa disse...

Oi, Tânia!!
Fiquei com vontade de conhecer e quem sabe investir? Acredito que depois que Fidel bater as botas, os imóveis irão para as alturas. Não é à toa russos e americanos estão investindo na ilha.
Não existe nada melhor no mundo do que viajar. Favoritei a postagem, vai que... :)
Beijus,