sábado, 11 de abril de 2015

DO LOLLAPALOOZA AO CONCERTO DA ORQUESTRA SINFÔNICA DE MATO GROSSO


Pois é, estive lá em Interlagos, dias 28 e 29 de Março para ver os grandes nomes do rock nacional e internacional.

Quando meu marido soube que Robert Plant, o lendário vocalista do Led Zeppelin estaria no Brasil sentenciou: nós vamos!!! Pensei: ui! Eu também?! 

Ingressos comprados, milhas trocadas por passagens, reserva  no Ibis  do Morumbi, feita por um primo que já havia ido no festival passado e conhecia "os esquemas". Embarcamos dia 27 no final da tarde.

Conseguimos assegurar o quarto porque ligamos no dia reforçando que chegaríamos em São Paulo para dormir, pois, as reservas caem automaticamente às 18h00.

Chegamos de táxi e logo avistamos uma multidão de adolescentes aglomerados na porta do hotel conversando sobre quais os shows valeriam mais a pena assistir. Sem dúvida nenhuma éramos os tiozinhos do rock... 

O quarto para casal é minúsculo, mas sem dúvida alguma o ponto forte da hospedagem é a localização: quase de frente a dois shoppings centers, próximo de uma estação do metrô e pouco distante do aeroporto de Congonhas.

Para quem já passou dos 4.0 e quer praticidade e tranquilidade na hora de dormir é a melhor sugestão.
No primeiro dia fomos para o autódromo por volta das 17h00, pois, Robert Plant começaria a tocar por volta das 18h00. 

Conseguimos chegar pouco antes do horário e vimos o espetáculo inteiro hipnotizados de tal forma que levaram o celular do meu marido que estava no bolso lateral de sua bermuda. Enquanto Robert cantava "What is and what should never be" meu marido o filmava com uma máquina Sony e nesse momento foi surpreendido por dois roqueiros que encostaram nele. Mais do que depressa segurou o bolso traseiro onde estava a carteira e se descuidou do bolso lateral próximo ao joelho. Foi aí que os espertalhões se aproveitaram e levaram o aparelho recém comprado com várias fotos e filmagens, que só não se perderam em razão do recurso "nuvem" estar ativado.

Faltou banheiros químicos! Por causa do tumulto formado próximo à fila dos banheiros é que meu marido teve esse prejuízo. Estávamos ali aguardando para usar uma das unidades.

Faltaram acomodações para fazer as refeições. Tudo bem que muitos jovens comem de pé, sentados no chão, mas a grande maioria estava a procura de mesas e cadeiras para saborear seus pratos.

No primeiro dia o que valeu foi Robert Plant, na sequência Jack White se apresentou...

No segundo e último dia chegamos por volta do mesmo horário: vimos um pouco do show da Pitty, o espetáculo de iluminação do Calvin Harris e nossa participação encerrou com o show do Smashing Pumpkins.


Voltei de viagem com uma virose de não poder sair de casa.





O rock é excitante, estimulante, envolvente, energizante e diria muito mais... só que doze dias depois assisti a um concerto com Flávio Venturini (vocalista do 14 Bis) e a Orquestra Sinfônica de Mato Grosso e digo que a boa música é para bons ouvidos! O concerto alegrou a minha alma! Não importa o ritmo, o que importa é o que você sente quando absorve a música.

Nenhum comentário: