segunda-feira, 25 de maio de 2015

COMO SE SENTE UMA MULHER QUE FOI VÍTIMA DE ESTUPRO?


3 comentários:

Luma Rosa disse...

Oi, Tânia!
Um estuprador jamais se colocará no lugar da vítima, mas é inaceitável que outras mulheres julguem uma vítima de estupro. Comento sobre isso porque já li comentários odiosos vindo de outras mulheres.
Tudo pode “justificar” o ato abominável do estupro: ela estava andando sozinha, ela estava de saia curta, ela bebeu, ela entrou no carro, ela deixou ele entrar no apartamento. Enfim, estava pedindo. Quem consegue formar essa frase ‘estava pedindo’ e falar em voz alta, certamente não tem noção da dimensão do crime praticado. Que tipo de mulher pediria para ser violentada, humilhada, agredida, vítima de talvez um trauma que a desestabilizará para o resto da vida? Que tipo de ser humano acha de bom senso dizer que a mulher pede para ser estuprada?
Beijus,

Anônimo disse...

Ola, Dra. tudo bem? falo parte de uma Ong que trabalha com mulher vitima de violencia domestica. Não temos nenhum recurso para realizar nossas tarefas. Fazemos parte do Conselho Municipal de defesa da mulher, também, voce pode nos dizer se o Conselho é deliberativo ou Consultivo? Olhei na Lei mas tenho duvidas..Como podemos fazer um projeto envolvendo a educação?
Um abraço e parabéns pelo trabalho;

Tânia Defensora disse...

Saudações!
Desculpe-me pela demora, eu estava de férias.
Também faço parte de uma ONG que tem o mesmo objetivo.
Não temos nenhuma fonte de arrecadação e da mesma forma fazemos parte do CMDM da nossa cidade.
Os Conselhos de direitos normalmente são deliberativos, todavia, não executam políticas, apenas as propõem. É preciso verificar na lei que criou o conselho municipal de defesa da mulher em seu município.
Os projetos podem ser feitos de acordo com os editais publicados: AVON, ITAÚ e PETROBRÁS são algumas das instituições que costumam patrocinar projetos que previnem a violência doméstica.
Boa sorte!