sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Crônica da vida real


Era uma vez uma moça pobre que já tinha um filho e engravidou do segundo.
Mãe solteira, sem plano de saúde, procurou um hospital público para fazer o pré natal.
O hospital era universitário. Os meses foram se passando e a barriga crescendo.
No nono mês, já não aguentando mais subir no ônibus, pediu a uma amiga que a levasse de carro até o hospital para fazer exame de toque.
Lá chegando foi encaminhada para um dos boxes de atendimento.
O médico, professor universitário, organizou uma fila de alunos para ensinar o exame.
Primeiro foi o médico dando as explicações de como enfiar os dedos na vagina, em seguida os alunos começaram a aula prática.
_ Não você não está fazendo certo. Preste atenção, vou fazer de novo. _ Disse o professor a um dos alunos que acabara de meter os dedos na vagina da moça.
A cada dedada a moça apertava os lábios e fechava os olhos rezando para que aquilo acabasse logo.
Depois que todos os alunos procederam ao exame (uma meia dúzia mais ou menos), ela foi dispensada porque ainda não estava na hora.
Ao entrar no carro, se pôs a chorar e a amiga perguntou o que havia acontecido. Ela contou-lhe.
_ Tenho um amigo que é médico e vou pedir para ele fazer o seu parto. Aqui você não volta mais.
A moça teve seu segundo filho em outro hospital público, a criança nasceu saudável.

8 comentários:

Adriana disse...

Nossa, que horror, tremenda falta de respeito com a mulher. Entendo que os estudantes precisam aprender, mas acho que existem outras maneiras de treinar, sem precisar tratar o ser humano como simples objeto...

Tânia, gostaria de desejar a você um Feliz Natal, que a luz do Mestre Jesus ilumine a você e toda a sua família...

Beijos!

............*
...........***
..........*****
.........*Feliz*
........*********
......************
.....******Natal****
....****************
...******************
..********************
..........****
..........****
..........****

Tânia Defensora disse...

Oi Adriana!
Eu penso como você:acho que os alunos precisam aprender, mas o hospital não deveria usar o corpo da mulher como se fosse um objeto.

Lusófona disse...

Nãooo, não posso crer... Tânia, estou pasma..

Tânia Defensora disse...

Oi Lusófona!
Foi verdade. Aconteceu em Cuiabá com uma conhecida minha.

luma disse...

Uma afronta a dignidade da pessoa! Nunca soube de caso semelhante, mas deve existir aos montes.
Boas festas!! Beijus

Tânia Defensora disse...

Oi Luma!
Eu só soube agora porque a amiga que levou a moça no hospital é minha cunhada.
Obrigada pela visita!
Beijão

Maria Fernanda disse...

Uma triste verdade.
bjs

Tânia Defensora disse...

Vc sabe da estória não é Fernanda?