sábado, 22 de dezembro de 2012

FESTA DE NATAL PARA OS FILHOS DO CAPÃO

Capão Grande é um bairro de Várzea Grande, a cidade onde moro. Lá está estabelecida a Cadeia Pública do Capão. Este ano a REPARE em parceria com a Rádio Estação VG resolveram realizar uma festa de Natal para os filhos dos presos do Capão.

Assim, na data de 15 de Dezembro das 17h00 às 20h00 uma comemoração foi feita no pátio da Defensoria Pública de Várzea Grande.

Idealizada inicialmente para atender essa plateia, o resultado não foi como esperado. Alguns filhos de presos acompanhados de suas mães compareceram, mas o público maior foi de crianças da redondeza, filhos de funcionários da Defensoria e do sistema prisional.

Foram entregues kits com material escolar e um brinquedo para cada criança. A FUNAC (Fundação Nova Chance e o SINDEP) Sindicato de Defensores Públicos fizeram a maior parte dessas doações.

Salgados, cachorro quentes e refrigerantes foram distribuídos. Uma estrutura com 3 camas elásticas, castelinho de bolinhas e som foi montada pela Rádio Estação VG. Recreadores fizeram gincana com as crianças que brincaram de vivo ou morto, mimica, dança das cadeiras e competição de bambolês. As mamães e até vovós participaram e foram premiadas!

Bom, a REPARE, Rede Permanente de Assistência ao Recluso e ao Egresso coordenou o evento, mas se não fossem os parceiros, a festa não teria sido tão bonita. Em nome da REPARE agradeço a todos os parceiros!

Meus amigos encerro meus posts deste ano, desejando Feliz Natal. 
Até ano que vem! Volto depois do dia 04. 
Uma boa virada de ano. Que 2013 seja melhor para o mundo.
 E que Deus abençoe a todos, fazendo a paz de Jesus Cristo renascer em nossos corações. Abraços!

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

CAMINHADA PELA PAZ DAS MULHERES


No dia da Justiça, 8 de Dezembro, às 8 horas, as mulheres cuiabanas farão caminhada pela paz e respeito, partindo da Praça Alencastro.
Venha participar!  

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Entra em vigor lei que contribuir com melhoria do sistema prisional


O tempo de prisão provisória ou medida de segurança cumprida pelo réu deverá ser considerado pelo juiz na sentença condenatória. É o que determina a Lei nº 12.736, de 30/11/2012, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff e publicada no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (3/12). A nova legislação integra o pacote de projetos de lei elaborado pelo Ministério da Justiça no âmbito do Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional.
O titular da Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça (SAL/MJ), Marivaldo Pereira, considera que a mudança na legislação será fundamental para desburocratizar uma das fases do processo penal. "Ao determinar que o juiz compute a pena cumprida provisoriamente na sentença, a lei evita que pessoas fiquem presas por tempo superior àquele previsto na lei", afirma.
Com a antiga lei, revogada com a sanção da Lei nº 12.736/12, o condenado aguardava o processo inteiro preso e, quando a decisão de condenação era proferida, poderia ser inferior ao tempo de pena já cumprido durante o processo. Para que a pena cumprida seja descontada daquela aplicada pelo juiz, o processo deveria seguir para outro magistrado, que é o competente para fazer o abatimento dessa pena. Esse trâmite poderia demorar até 20 dias, caso o acusado tivesse uma boa defesa. "Com a nova lei, ao definir a condenação, o juiz já fará esse abatimento e se o condenado tiver direto à sua liberdade ou já tiver cumprido a pena que lhe foi imposta, ele pode ser colocado imediatamente em liberdade", informa o secretário Marivaldo.
De 2011 até agora houve um aumento de cerca 14 mil presos em todo o País perfazendo um total de 218.437 mil réus em situação de prisão provisória.
Melhorias para o Sistema Prisional - projeto de detração - transformado na Lei nº 12.736/12 - foi apresentado pelo Poder Executivo ao Legislativo e está entre projetos elaborados pelo Ministério da Justiça que integram o Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional. São eles informatização do acompanhamento da execução penal (Lei 12.714/2012); nova lei das cautelares no processo penal (Lei 12.403/2011); convivência dos pais privados em liberdade (PL 2785/2011); remição da pena por estudo (Lei 12.433/2011); e o Plano Estratégico de Educação no âmbito do Sistema Prisional Decreto (7.626/2011), além da portaria 2594/2011 do MJ que cria a Estratégia Nacional de Alternativas Penais (Enape).

--

domingo, 25 de novembro de 2012

INSEGURANÇA PÚBLICA





Tenho um sobrinho que mora em Palhoça, SC, há 3 anos. Quando a onda de violência que atingiu os Estados catarinense e paulista começou fiquei muito preocupada.

Meu sobrinho havia sobrevivido a uma cirurgia delicada no pâncreas em decorrência de uma crise de diabetes do tipo 1 e eu ainda não tinha tido oportunidade de vê-lo desde então.

Programei uma visita para o mês de Dezembro. Acompanhei com ansiedade as notícias do sul do País pela Zero Hora: 29 atentados a ônibus, 2 postos policiais queimados, 14 cidades atingidas dentre elas, Palhoça.

Autoridades da segurança pública do Rio Grande do Sul antecipando-se ao caos discutiam sobre a possibilidade dos ataques chegarem a Porto Alegre o que foi descartado por diversos motivos.

Em São Paulo o crime organizado ordenou de dentro das prisões os ataques em retaliação à falta de apuração das execuções efetuadas pela polícia militar contra membros da organização. Em Santa Catarina a retaliação se deu porque os condenados denunciaram tortura dentro dos estabelecimentos prisionais e absolutamente nada foi feito.

Ocorre que no Rio Grande do Sul Juízes, Promotores e Defensores Públicos fiscalizam esses locais com muita frequência procurando atender reivindicações que não sejam absurdas.

Além disso, os presídios não ficam nas mãos de apenas uma organização como o PCC (Primeiro Comando da Capital) em São Paulo e PGC (Primeiro Grupo Catarinense) em Santa Catarina , no RS há quatro facções: Os Abertos, Unidos pela paz, Os Manos e os Bala na Cara.

Não há detentos trancafiados em delegacias, o que ocorre em SC e SP. O Estado não tem tradição de execuções de criminosos por parte da polícia como em SP. E denúncias de torturas nas cadeias como em SC costumam ser investigadas e punidas.

Porque existem essas facções dentro dos estabelecimentos de custódia do Estado? Porque são toleradas pelo Governo?

Há uma verdadeira terceirização do sistema prisional: o Estado não é capaz de “reeducar” seus presos, assim divide as unidades em galerias e permite o domínio delas pelas facções. As mortes deixam de ocorrer dentro das unidades porque as facções têm forças semelhantes, segundo relatório do CNJ.

Se os presídios são medievais, como afirmou o Ministro da Justiça,  deveriam ser mais fáceis de administrar pelos nossos competentes gestores.

O Estado deve cumprir seu papel: promovendo educação de boa qualidade, proporcionando meios para que as famílias tenham habitação, acesso à saúde, justiça, trabalho e condições dignas de sobrevivência.

É fato que na ausência do Estado, organizações criminosas ou não assumem o monopólio de uma série de obrigações estatais.

A sociedade precisa entender que melhorar as condições dos presídios é uma política de segurança pública.

Tânia Regina de Matos
Defensora Pública
Atua na Vara de Violência Doméstica
e Execução Penal em Várzea Grande, MT

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

I Seminário Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Estado de Mato Grosso


 
Local: Auditório da Sede das Promotorias de Justiça da Capital/ MPE - ao lado do Fórum de Cuiabá - MT


Programação:
28/11/2012 (4ª feira)

8h30 – Abertura
10h00 – Conferência de Abertura: “Tráfico de pessoas no mundo e no Brasil”
Palestrantes:
Fernanda dos AnjosDiretora do Departamento de Justiça, Classificação, Títulos e Qualificação da Secretaria Nacional de Justiça/ MJ.
Luiz Antônio MachadoCoordenador Nacional do Programa de Combate ao Trabalho Escravo da Organização Internacional do Trabalho – OIT.
Coordenadora:
Vera Lúcia Pereira AraújoSecretária Adjunta de Direitos Humanos da SEJUDH/MT.
12h00 – Almoço.
14h00 – 1º Painel: Exploração Sexual
Palestrantes: Dra. Ana Cristina MendesJuíza da Vara Especializada de Violência contra a Mulher.
Maria Rosely Rodrigues Pinheiro Cândido – Psicopedagoga e Coordenadora da Pastoral da Mulher Marginalizada de Rondonópolis/MT.
Claúdia Cristina Ferreira CarvalhoCoordenadora do Centro de Referência em Direitos Humanos dos Grupos Sociais Vulneráveis/MT.
Coordenadora:
Dra. Rosana dos Santos LeiteDefensora Pública, atuante em defesa das vítimas de violência doméstica/ Presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher/MT .
16h30 – 2º Painel: Trabalho Escravo
Palestrantes:
 Dr. Thiago Gurjão Alves Ribeiro Procurador-chefe do Ministério Público do Trabalho de Mato Grosso.
Elizabete Fátima Flores – Comissão Pastoral da Terra (CPT).
Amarildo Borges de Oliveira - Auditor fiscal da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE-MT).
Coordenador:
Teobaldo Witter – Ouvidor de Polícia e Presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana - CDDPH.


29/11/2012 (5ª feira)

8h30 – 1º Painel: Fronteiras
Palestrantes:
Dr. Geraldo Fernandes Fidelis NetoJuiz de Direito da 2ª Vara Criminal da Comarca de Cáceres/ Membro do Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira (GGI-F), representando o Poder Judiciário.
Alex Jorge das Neves - Gerente de Estratégia Nacional de Segurança Pública nas Fronteiras-ENAFRON – SENASP/MJ.
Dra. Andréia Santos Humsi Reyes Donxeva Advogada – Foi monitora/ capacitadora do Projeto “Capacitando para o enfrentamento ao tráfico e exploração de mulheres” da Sub-Secretaria das Mulheres e da Promoção da Cidadania/ MS.
Ir. Henriqueta Cavalcante – Coordenadora da Comissão de Justiça e Paz (CJP) do Regional Norte 2 da CNBB (Pará e Amapá).
Coordenador:
Dr. Arnaldo Justino da Silva Promotor de Justiça e membro do Grupo de Combate a Crime Organizado no Estado de Mato Grosso.
12h00 – Almoço
14h00 - 2º Painel: Plano Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas
Palestrantes:
Dulce Regina Amorim – Coordenação do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Estado de Mato Grosso.
Daniel Almeida de Macedo – Oficial da Agência Brasileira de Inteligência/ Coordenação do Comitê Estadual de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas no Estado de Mato Grosso.
Iolanda Vaz GuimarãesSecretaria de Estado de Saúde – Integrante do CETRAP/MT.
Coordenador:
Maj. PM MT James Ferreira – Coordenador do Programa Escola Segura – SESP/SEDUC.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

5.o BookCrossing Blogueiro - É hora de libertar nossos livros

Adorei o post da Luma sobre o 5.o BookCrossing Blogueiro!

Estava pensando em libertar livros que falassem sobre o sistema prisional, mas quando olhei para a minha estante lembrei-me que no último BookCrossing Blogueiro doei todos os que não estavam emprestados para a Casa do Albergado. 

Tenho o costume de pedir doações de livros e entregá-los à Cadeia Pública onde atendo como Defensora Pública.

A leitura é importante ferramenta de ressocialização. Doe livros para os presídios. Garanto que eles serão muito bem aproveitados!

Hoje pela manhã, quando cheguei ao meu trabalho um estagiário da Defensoria Pública me disse que o projeto da monografia dele será na área de execução penal. Fiquei curiosa, pois, o Sthênio é estagiário que atua junto a vara de família. Indaguei qual o título escolhido e ele respondeu: "Lei de execução penal como instrumento de humanização social." Na mesma hora o presentei com um exemplar.

Entendi como um sinal!

Fui até o aeroporto (moro praticamente ao lado dele) e libertei três livros que publiquei em 2004: "As Detentas do Presídio Feminino - crônicas das execuções penais.

Não deu para esperar a reação de quem os encontrou. Estava atrasada...


Confira as fotos!


domingo, 4 de novembro de 2012

DEFINIDA A LISTA TRÍPLICE DA DPE-MT



Após eleições realizadas na tarde desta quinta-feira (1º), os membros da Defensoria Pública de Mato Grosso formaram a lista tríplice para a escolha do novo defensor público-geral e escolheram seis novos Conselheiros.
O defensor público Djalma Sabo Mendes Junior, com 84 votos, encabeça a lista que será encaminhada do governador do Estado, Silval Barbosa. Na sequência aparecem Clodoaldo Aparecido Gonçalves de Queiroz e André Renato Robelo Rossignolo, com respectivamente 66 e 59 votos. Com 47, o candidato José Carlos Evangelista Santos não integra a lista.
De acordo com o § 3º do art. 7º da LCE 146/2003, a partir do recebimento dos nomes, Silval tem o prazo de 15 dias para proceder à nomeação do novo defensor público-geral de Mato Grosso. Caso contrário será empossado o defensor público mais votado.
A votação, obrigatória a todos os membros da instituição, teve apenas cinco abstenções. Os eleitores puderam votar em até três candidatos para o cargo máximo da Defensoria Pública e em até seis candidatos para o cargo de conselheiro superior.
No caso dos conselheiros, foram proclamados eleitos: Danielle Pereira Vilas Boas Biancardini, Erinan Goulart Ferreira, José Edir de Arruda Martins Junior, Márcio Bruno Teixeira Xavier de Lima, Márcio Frederico de Oliveira Dorilêo e Tânia Regina de Matos.
Puderam concorrer ao cargo de defensor público-geral membros estáveis da carreira e maiores de 35 anos à época da posse. Para o cargo de conselheiro as condições eram que os membros não tivessem sido submetidos à aplicação de sanção administrativa disciplinar há menos de dois anos da data da inscrição.
A Comissão Eleitoral, responsável pela condução do pleito e com a competência para elaborar a lista tríplice é formada pelos defensores públicos Carlos Gomes Brandão (presidente), Alenir Auxiliadora Garcia e Jucelina Freitas Ribeiro.

sábado, 27 de outubro de 2012

MEMÓRIA ELEITORAL


O eleitor precisava ter uma memória mais aguçada para esta questão. Numa roda de conversa entre populares, se você perguntar nome de alguma novela ou de sua/seu protagonista/o, a resposta correta não demorará a vir, mas se você indagar do qual partido este ou aquele candidato já pertenceu ou se coligou, certamente não obterá resposta.
Em Várzea Grande, na penúltima eleição, um candidato a prefeito foi acusado veladamente de pedofilia por um grupo político, algo muito grave para ser usado durante uma campanha eleitoral, fato que fere de morte a democracia, pois, não só atinge a imagem do candidato como induz o eleitor ao erro. Isso sim é ofensa.
Na mesma cidade, na última disputa, após o resultado das urnas, 50 títulos de eleitor e de documentos de identidade foram encontrados em um córrego no bairro Capela do Piçarrão, o que causou perplexidade em algumas autoridades. Mas a justiça eleitoral já descartou a possibilidade de ter havido fraude. Será?
Penso eu que, para prefeito(a), o uso desses documentos não alteraria o resultado até porque a diferença de um(a) para outro(a) foi de aproximadamente 3.000 votos, mas e para vereador(a)? Teve candidata que perdeu a eleição por uma diferença de 20 votos. E aí?
Em Cuiabá, um certo líder político denunciou recentemente a compração de votos para prefeito que vem ocorrendo na capital. E para vereador? Não houve compração de votos?
Depois da morte de Eric Hobsbawm, comecei a reler a "Era dos Extremos". Em um dos seus textos ele afirma que um historiador social não pode negligenciar nem a economia nem Shakespeare. Deve analisar não somente os aspectos econômicos da vida em sociedade como as ideias, a linguagem e o imaginário coletivo.
Tenho tentado analisar isso tudo... mas como é difícil! Em período eleitoral você vê muita insanidade: os palanques se transformam em ringues com exibição de lutas com golpes baixos ou palcos teatrais com espetáculos melodramáticos!!!
Todos nós deveríamos guardar na memória quem já se uniu a quem e tornarmos historiadores sociais populares. Sinceramente, não temos que esperar mudanças profundas através da verticalidade. Temos que fazer acontecê-las de forma horizontalizada.
Com perdão aos que acreditam no alinhamento, eu perdi a esperança de que os problemas de quaisquer natureza sejam resolvidos de cima para baixo.
Passada a eleição, se a população não demonstrar o mesmo entusiasmo que teve durante a campanha para cobrar o que foi prometido, os problemas continuarão. E nós, Defensores Públicos, continuaremos propondo ações de regularização fundiária, processos para assegurar vagas em escolas e creches, medidas para assegurar leitos nas UTI's, remédios nas farmácias de alto custo e assim por diante.
E antes que me rotulem de socialista, não sou filiada e nem simpatizante de qualquer partido político, meu título é de Várzea Grande e na minha cidade o monstro do desalinhamento foi derrotado pelo dr. Wallace!

Tânia Regina de Matos
É Defensora Pública do Estado, atua em Várzea Grande.

sábado, 20 de outubro de 2012

Curso de Disseminação da Metodologia do PAIR

Levamos ao seu conhecimento que no período de 23 de outubro a 01 de novembro/2012, estarão abertas as inscrições para a 8ª. Turma Curso de Disseminação da Metodologia do PAIR, no formato à distância, promovido pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, atendendo ao PNEVSCA, através do Instituto Aliança.
Para a 8ª Turma do Curso serão reservadas até 200 vagas por cidade (Brasília, Cuiabá e Manaus) que sediará a Copa 2014, a serem preenchidas, preferencialmente, por profissionais que atuam na área de violência sexual contra crianças e adolescentes.

O curso dará ênfase ao desenvolvimento do tema “Violência Sexual contra crianças e adolescentes, com foco no atendimento de casos de violência sexual vítimas de violência sexual no contexto dos megaeventos desportivos e grandes obras.

O curso está estruturado em 8 módulos correspondendo a 40 horas, mesclando conteúdos e práticas que promovam o fortalecimento das redes de proteção no município. Ao final do curso os participantes serão certificados em nível de extensão pela Universidade do Estado do Ceará.

As inscrições serão via on-line plataforma LEVEAD (disponível a partir do dia 23.10.2012), pelo site: www.levead.com.br/pair
 

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Quem é seu próximo?





Dá para levar ao pé da letra esse mandamento: Amarás seu próximo como a ti mesmo? Se você respondeu sim, me diga como posso amar alguém que desferiu mais de 50 facadas na sua ex-mulher e nas duas filhas dela?

Falo do Jorge Carlos da Silva, com quem conversei horas depois do triplo homicídio. Essa é uma das várias atividades que um Defensor (a) Público(a) tem que enfrentar na sua rotina de trabalho.

Estava de plantão durante o feriadão, quando na sexta-feira o celular institucional tocou: era um familiar do suspeito relatando que ele estava na sua casa e queria se entregar.

Fiz as primeiras perguntas para a cunhada dele e a orientei a me ligar novamente após a prisão, já que essa se concretizaria em breve, pois, os parentes não queriam que ele se entregasse, mas a polícia estava a sua procura.

Quando cheguei na Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa Jorge já havia confessado, só não tinha dito o motivo e aonde estavam a faca e as roupas que usava no momento do crime.

Pedi para conversar reservadamente com o meu cliente. Um dos policiais quis me mostrar as fotos do triplo homicídio armazenadas em seu celular. Dispensei a exibição.

Defensor (a) deve agir assim. É o único profissional que não pode julgar um suspeito de crime. Todos os demais podem: o policial militar, o civil, o delegado, o promotor, o juiz, a sociedade, mas o Defensor(a) não pode julgar!

Algemado com as mãos para trás, confirmou cada palavra dita ao delegado e aos policiais que estavam na sala. Segundo ele, após saber que a Polícia estava em seu encalço, se dirigiu até a Base Comunitária do bairro Pedra 90 e foi preso. Não sabia me apontar o motivo, nenhum motivo... Só me afirmou uma coisa com muita certeza: a de que morreria para onde fosse levado.

Fiz várias perguntas sobre a vítima, o relacionamento com ela, com as enteadas... Eu não conseguia acreditar que aquele homem havia ceifado a vida de três pessoas do seu convívio...

Após militar durante 9 anos junto ao Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher, atuar na defesa da vítima junto a vara de violência doméstica de Várzea Grande por quase 4 anos, proferir inúmeras palestras defendendo a lei Maria da Penha, porque eu, justamente eu, tinha que estar ali, naquele momento? Perguntei isso para Deus. Ele ainda não me respondeu.

Acho que “Amar o próximo como a ti mesmo” seria uma resposta plausível... mas será mesmo que tenho que amar... ou só procurar entender, me colocar no lugar dele... Mas como? Como entender três assassinatos tão violentos?

Os policiais me perguntaram qual seria a tese de defesa? Respondi:  Não serei eu quem fará a defesa dele. Estou apenas acompanhando o flagrante. Provavelmente, diante da confissão e das provas colhidas durante a instrução, a se confirmar, o(a) Defensor(a) por dever de ofício e com ética fará a melhor defesa possível, tentando excluir qualificadoras.

Sem entrar no mérito desse caso, penso que relacionamentos doentios, destrutivos e perturbados devem causar desequilíbrios entre os envolvidos.

Acho que tanto o homem como a mulher precisa de apoio familiar e ajuda de um profissional da área de psicologia quando termina um relacionamento conturbado.

Perguntado à Madre Tereza de Calcutá durante a entrega do Prêmio Nobel da Paz em 1979: o que fazer para promover a paz mundial? Ela respondeu: “Vá para casa e ame sua família”.

Ame sua família, não queira simplesmente tê-la sob seu domínio e controle. Isso vale para os dois pólos de uma relação.


Tânia Regina de Matos
Defensora Pública do Estado de Mato Grosso
Defensora da Vara da Violência Doméstica de Várzea Grande
Atuando na defesa da vítima



terça-feira, 9 de outubro de 2012

Comunidades terapêuticas, clínicas ou centros de recuperação?

Algumas pessoas precisam comer demais, amar demais, beber demais, jogar demais, gastar demais, se drogar demais ou praticar sexo demais para serem felizes, são as chamadas doenças de comportamento ou dependências.

Qual o melhor tratamento para essas doenças?
 
Não há uma resposta exata para essa pergunta, pois, cada organismo reage de forma diferente aos diferentes tratamentos oferecidos.Tudo dependerá de cada um, pois, somos seres únicos e individuais.

Há pessoas que conseguem controlar sua doença frequentando grupos de apoio.

As comunidades terapêuticas são entidades públicas ou privadas que têm por objetivo recuperar dependentes químicos através de um programa, que invariavelmente segue os 12 passos de alcoólicos anônimos. 
Conheci há três anos um desses centros, a comunidade Vida Serena, que fica na estrada que vai para Jangada, MT. Não havia luxo. Era apenas uma associação sem fins lucrativos disposta a acolher pessoas que desejavam deixar as drogas.
As comunidades terapêuticas enxergam o indivíduo como uma vítima, incapaz de se controlar diante da droga. Entendem que o adicto está doente e defendem vigorosamente a abstinência como único objetivo aceitável de tratamento.O compromisso com a abstinência entretanto, não é considerado uma cura, já que qualquer retorno ao uso/abuso da droga/álcool desencadeia a doença latente. Assim, o programa de tratamento é baseado em mudanças de comportamento, melhor estilo de vida e abstinência total de qualquer droga.

Ontem encontrei um advogado muito respeitado na minha cidade que conheceu uma dessas comunidades: Valor da Vida e forneceu-me boas referências a respeito do local.
Nem todo mundo tem condições de pagar uma mensalidade em torno de dois salários, por isso, costumo indicar outra comunidade que é dirigida por uma técnica em enfermagem que conheci pessoalmente chamada Dirce: 8423-2615, 9297-9481.
Se você está procurando por um lugar que possa tratar um familiar adicto, tenha paciência e fé. Deus lhe mostrará qual o melhor local.

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

OUTUBRO ROSA





Confira a programação

Abertura

03/10/2012 (quarta-feira)
20h00
Iluminação em tons rosa Igreja Santuário Nossa Senhora Auxiliadora
Participação da Orquestra Sinfônicada UFMT , Escola de Violino do Colégio Salesiano São Gonçalo e Coral MTmamma

De 04 à 28/10/2012
10h00 às 22h00
Bazar Beneficente
Pantanal Shopping 

12/10/2012 (sexta-feira)
08h00
Uma caminhada em prol da saúde das mamas
Parque Mãe Bonifácia 
26/10/2012 (sexta-feira)
08h00 às 17h00
Um dia na praça em prol da saúde das mamas

 
*O dia 26.10 foi instituído o “Dia Estadual de Prevenção ao Câncer de Mama”, através da lei nº 9.757 de 19 de Junho de 2012.
Praça Alencastro- Centro de Cuiabá 
01/11/2012 (quinta-feira)
20h00 
4ª MACARROmamma - jantar com bazar beneficente
Cenarium Rural


PROGRAMAÇÃO PALESTRAS EDUCATIVAS

Dia/horário: 28/09 (sexta-feira) às 15 horas

Local: CEDIC/CEDILAB - Rua Barão de Melgaço, Centro 
Dia/horário: 09/10 (terça-feira) às 9 horas
Local: CRAS Dom Aquino -Rua Irmã Elvira Paris, s/n, Dom Aquino - Cuiabá/MT - Próximo à ROTAM

Dia/horário: 09/10 (terça-feira) às 14 horas
Local: Fórum Cível de Cuiabá (Centro Político Administrativo-CPA)
Apoio: OAB/MT
Dia/horário: 20/10 (sábado) às 9 horas
Local: Comunidade João Carro - Escritório Local Furnas (Empaer-MT/Chapada dos Guimarães) que fica a 60 km de Cuiabá e 40 km de Chapada.
Apoio: Empaer/MT
Dia/horário: 21/10 (domingo) às 18 horas
Local: Mesquita de Cuiabá (Rua Zulmira Canavarros, 09, B. Bandeirantes)

Dia/horário: 23/10 (terça-feira) às 9 horas
Local: Câmara Municipal de Vereadores - Cuiabá -MT

Dia/horário: 27/10 (sábado) às 9 horas
Local: Empresa MS Celular - Várzea Grande (Av. Filinto Muller, em frente ao Supermercado BIG Lar)